Temas Bíblicos – Jo 17

A oração que Jesus eleva ao Pai, após uma longa instrução dirigida aos Apóstolos, que começou como o gesto do Lava-pés, apresenta uma teologia da Vida que ele nos mereceu com a sua Morte de Cruz.

Pela sua Morte, Jesus se consagra, isto é, se oferece como vítima sacrifical, para que os Apóstolos e, por eles, todos os que crerem nele, “sejam consagrados na Verdade” (17,19). Trata-se de uma condição necessária para que os Apóstolos, enviados, e a Igreja, possam ter credibilidade diante do mundo e, para que todos os que crerem em Jesus perpetuem o testemunho dos Apóstolos.

Enquanto Jesus estava na terra, guardou os seus, no Nome do Pai, isto é, na força do Poder que o Pai a ele concedeu sobre toda carne. Trata-se do Espírito que Jesus possuía sem medida; que “repousava sobre ele”, como já tinha anunciado João Batista, e que agia pelas palavras com que comunicava os preceitos de Deus. Os Apóstolos , ao escutá-lo chegaram a crer nele e o reconheceram como o Enviado de Deus. Essa condição, embora os santificasse, não era ainda plena Vida divina. De fato, o próprio Jesus, o Mestre, declara a Pedro que ele não pode segui-lo, não obstante todo o seu entusiasmo (13,37s).

Torna-se necessário que o Pai guarde os Apóstolos, no seu Nome, isto é envie o Espírito para que cheguem a toda Verdade. Dessa forma terão os mesmos sentimentos de Cristo, Caminho, Verdade e Vida. Para isso, Jesus aceita a sua imolação de Cruz.

As palavras que formulam a sua aceitação devem ser interpretadas com as palavras que encontramos no início da sua oração, momento em que, pela sua imolação, Jesus pede a sua glorificação que o porá em condições de impetrar do Pai que, por ele, os seus sejam, por sua vez, glorificados. Os seus estarão, então, em condições de tornar a sua vida “um sacrifício espiritual”.

Rm 5,1-5 ilustra essa condição perfeita na vida do cristão, que permite experimentar a “alegria do Espírito”, porque o fiel chega a viver em si os sentimentos que Cristo experimentou na sua Paixão: “Justificados pela fé, tenhamos paz com Deus” (Rm 5,1). Existe perfeita vida cristã no fiel quando vive em plena comunhão com o Pai e com o Filho: o que acontece quando “conhece”, isto é, vê claramente de que maneira o Espírito age nele.

No terceiro momento da sua oração, Jesus pede que os seus estejam com ele. Isto será uma participação da Glória divina, após eles terem glorificado na terra o Pai, à semelhança do seu Mestre.

Os Apóstolos percorreram a duras penas o caminho da sua santificação. Foi duro para eles renunciar à perspectiva nacionalista que tanto teriam gostado que o seu Mestre realizasse. Também na condição de homens de fé, foi árduo viver o seu testemunho no meio de tantas perseguições. A própria perspectiva de glorificação, não encontrava tantas testemunhas que os encorajassem.

Devemos nos considerar felizardos porque a doutrina da messianidade de Jesus se tornou uma preciosidade para nós, que os de religião hebraica ainda não alcançaram. Também, porque podemos nos confortar ao ver como o heroísmo dos Apóstolos em seguir Jesus no Caminho da Cruz torna realmente o fiel capaz de glorificação; porque, enfim, podemos ver “qual é a riqueza da Glória reservada aos santos” (Ef 1,17).

Precisamos pôr Jesus em condições de agir como Cabeça da Igreja porque, ao ressuscitá-lo dos mortos, Deus o constituiu Plenitude que plenifica tudo em todos, pelo Espírito (Ef 1,23). Isto acontecerá se, como nos lembra Rm 5,3-5, nos gloriarmos nas tribulações para alcançarmos a constância que fará desabrochar uma esperança que coroará a nossa caridade, a ponto de nada nos fazer esmorecer no testemunho da nossa fé.

Perguntas para reflexão:

1ª) Qual é a graça que Jesus nos mereceu com a sua imolação?

2ª) Qual é o caminho para chegar a toda Verdade?

3ª) Com que termos Rm 5,1-5 descreve o processo da nossa santificação?

 

 Pe. Fernando Capra

 

btn_cepar_468x150  Cepar
  • Alfabetização, cidadania, comunicação, saúde, coral, ações sociais e eventos, você encontra aqui!
Saiba mais

Apostolado da Oração, Congregação Mariana, Grupos de Oração, Liga Católica, Movimento Mãe Rainha e Pastoral Vocacional...

Saiba mais

Você, jovem ou adolescente, que quer se aproximar mais de Deus, confira as opções de grupos jovens que nossa paróquia oferece.

Saiba mais

Aqui você encontrará informações sobre CF, Fé e Dons, Círculos Bíblicos, Cursos da Palavra, Escola de Evangelização Santo André e Mater Eclesiae e Luz e Vida.

Saiba mais

Informações sobre Batismo, Crisma ou Confirmação, Eucaristia, Confissão ou Penitência, Extrema Unção, Ordem e Matrimônio ministrados em nossa paróquia.

Saiba mais

localVeja o mapar de como chegar a Paróquia e Santuário Nossa Senhora de Loreto:

Ladeira da Freguesia, 375 -Freguesia - Jacarepaguá – RJ

CEP 22760-090

Saiba mais  

Entre em contato conosco através dos emails da Administração, Ação Social Loreto, Pe. Barnabitas, Igreja N. Senhora de Loreto, Jornal O Mensageiro, Secretaria, Pascom e Pastoral da Juventude.

Saiba mais

Confira o horário de atendimento de nossa secretaria, missas, confissões, eucaristia e batismo.

Saiba mais
CAPELAS

capelaNeste espaço, você encontrará os endereços das Capelas assistidas pela nossa paróquia e seus respectivos horários das Missas:

    • » NOSSA SENHORA DA PENNA
    • » NOSSA SENHORA DO AMPARO
    • » NOSSA SENHORA DE BELÉM
    • » SÃO JOSÉ (CARMELO)
    • » SANTO ANTONIO
Saiba mais
HISTÓRICO DA PARÓQUIA

quem_somosPrezado leitor, querido paroquiano.

Sim. Agora podemos dizer que Nossa Senhora de Loreto é Patrona do nosso povo de Jacarepaguá há mais de 350 anos.

Quando o P. Manoel de Araujo veio de Lisboa, trouxe esta imagem e, tendo conseguido alguns favores por intercessão da Virgem, lhe dedicou um santuário. Conta o Frei Agostinho de Santa Maria no seu livro “Santuário Mariano e história das imagens milagrosas de Nossa Senhora” de 1723:

Saiba mais
HISTÓRICO DO SANTUÁRIO

hist_santuarioO Brasil, em colonização pelos portugueses, saía do Ciclo do Pau Brasil e ingressava no do Açúcar. Desenvolvia-se em terras litorâneas a construção de engenhos e fazia-se presente atividade febril nos meses de moagem da cana e fabrico de açúcar.

As terras de Jacarepaguá eram consideradas extremamente férteis e a região onde seria construída a Igreja do Loreto era denominada Planície dos Onze Engenhos...

Saiba mais
CEPAR

CeparO CEPAR (Centro de Estudos paroquial Nossa senhora de Loreto), inaugurado em Maio de 2000, uma área construída de cerca de 3000 m2, um complexo com 15 salas de aula cada uma com 30 lugares, um plenário para cerca de 120 participantes, um salão para festas e eventos abrigando 50 mesas redondas de 6 lugares, sem prejuízo da pista de dança e a varanda que circunda o salão pode abrigar 20 mesas redondas de 6 lugares,portanto, cerca de 420 pessoas podem desfrutar dos eventos no salão...

Saiba mais
HISTÓRICO DE NOSSA SENHORA DE LORETO

Historico N. Sra. LoretoNossa Senhora de Loreto

A ditosa casa de Nazaré, onde, após a saudação do Anjo à futura Mãe de Deus, o Verbo se fez Carne, foi transportada, segundo a tradição, para a cidade de Loreto, na Itália.

A Santa Casa de Loreto foi o primeiro santuário de porte internacional dedicado à Santíssima Virgem tendo sido, durante muitos séculos, o verdadeiro centro Mariano da Cristandade....

Saiba mais
Facebook
Twitter
YouTube
INSTAGRAM