Temas Bíblicos – Evangelho de João (Jo 20)

Jo 20

É surpreendente ver como os discípulos de Jesus chegam à experiência do fato mais importante do homem Cristo Jesus, que se declarou para eles Caminho Verdade e Vida, da forma mais comum, em relação a um amigo recém-sepultado. As piedosas mulheres se apressam em ir ao sepulcro quando ainda está escuro, na manhã do primeiro dia da semana, após o repouso sabático. Resignadas diante da morte do seu Mestre, estão prontas a continuar a viver a sua rotina de crentes hebreus, dentro das suas tradições. Jesus seria lembrado como um entre os profetas de Israel. As coisas não mudam nem quando Maria Madalena descobre que o sepulcro foi violado. Reage como o previsto. Corre para avisar Pedro que, por sua vez, corre para constatar o que a mulher lhe relatou. É o discípulo amado que capta a novidade do ocorrido, amadurecido pelo fiel seguimento do seu Mestre. Aos pés da cruz, depois das palavras de Jesus que o levou a receber em sua casa a sua Mãe, na condição de filho, tinha sido agraciado com a intuição de estar diante do Templo do Filho do Homem, do qual fala Ez 47,1, ao ver sair do lado direito do peito trespassado pela lança, a Água, fruto do derramamento do sangue do Cordeiro imolado. Isto já o tinha levado a reconhecer, juntamente com Maria, o Servo de Iahweh que acabava de oferecer a sua vida em sacrifício e que por isso veria prolongados os seus dias, seria abençoado por uma descendência e faria deslanchar o Plano de Deus (Is 53,10). A tumba vazia, com “os panos de linho por terra” (20,6) e o sudário colocado num lugar a parte, eram um claro sinal daquilo que as Escrituras tinham anunciado do Justo sofredor. A esse respeito, Pedro assim se expressará, no dia de Pentecostes, movido por sua vez pelo Espírito: “O Santo, que Davi chama no salmo de Senhor, não podia conhecer a corrupção” (At 2,24-28). Ele tinha realmente ressuscitado da forma que predissera: “O Filho do Homem devia sofrer e ser posto a morte, mas ao terceiro dia ressuscitaria”.

A verdade à qual João chega pelas Escrituras, é conhecida, por Maria Madalena, por uma aparição que Jesus lhe concede. Vemos, contudo, que Jesus a adverte que ela deve viver a realidade da sua ressurreição somente contemplando-o como aquele que está sentado “à direita da Majestade”, “o Sumo Sacerdote que entrou no céu passando pelo véu do seu corpo” (Jo 20,17; Hb 1,3;10,20).

Quando Jesus aparece aos discípulos reunidos no Cenáculo, ali nos revela os valores da nossa religião. O Caminho para uma vida gloriosa é aquele que é ditado pelas chagas que ele mostra. É uma alegria constatar que é realmente aquele que esteve morto e que, agora está vivo. Mas é sobretudo uma garantia que não o seguiremos em vão se carregarmos, na perseverança, a cruz de cada dia. A celebração, portanto, da sua Morte, acompanhada pelo propósito de segui-lo, é o serviço litúrgico pelo qual o Espírito nos será concedido por aquele que foi “elevado na Cruz”. Por ele viveremos a nossa purificação e a nossa adoração dos mistérios de Deus que se revelam na Pessoa do Senhor Jesus Cristo.

Não podemos esperar por um outro Tomé. Se chegarmos a crer sem ter visto, teremos a certeza de estar no caminho que João nos indicou pela sua fidelidade no seguimento do Filho do Homem, de quem falam a Lei e os Profetas.

O João do Apocalipse, por sua vez vive e, consequentemente, nos ilustra a experiência do Apóstolo João que, após Pedro, entrou no sepulcro e que soube “ver claramente”, porque relacionou o sinal da tumba vazia às Escrituras.

A compreensão que o João do Apocalipse tem de Jesus acontece no “dia do Senhor” quando, movido pelo Espírito, ouve, atrás de si uma voz forte como de trombeta. Ao voltar-se cumprem-se, aos seus ouvidos, “as palavras da Escritura” (Lc 4,21). Por meio daquele que vê e que lhe fala, está em condições de escrever, isto é, nos dizer, “as coisas que vê, as que são e as que devem acontecer em breve” (Ap 1,19).

 

Perguntas para reflexão:

1ª) Por que João e não Pedro, nem Maria Madalena, chega a compreensão do que realmente aconteceu, diante do túmulo vazio?

2ª) Qual é o ensinamento de Jesus que aparece mostrando as suas chagas gloriosas e comunicando o seu Espírito para o entendimento das Escrituras?

3ª) De que forma o Apocalipse nos ensina a tomar conhecimento do que “o Espírito diz às Igrejas”?

btn_cepar_468x150  Cepar
  • Alfabetização, cidadania, comunicação, saúde, coral, ações sociais e eventos, você encontra aqui!
Saiba mais

Apostolado da Oração, Congregação Mariana, Grupos de Oração, Liga Católica, Movimento Mãe Rainha e Pastoral Vocacional...

Saiba mais

Você, jovem ou adolescente, que quer se aproximar mais de Deus, confira as opções de grupos jovens que nossa paróquia oferece.

Saiba mais

Aqui você encontrará informações sobre CF, Fé e Dons, Círculos Bíblicos, Cursos da Palavra, Escola de Evangelização Santo André e Mater Eclesiae e Luz e Vida.

Saiba mais

Informações sobre Batismo, Crisma ou Confirmação, Eucaristia, Confissão ou Penitência, Extrema Unção, Ordem e Matrimônio ministrados em nossa paróquia.

Saiba mais

localVeja o mapar de como chegar a Paróquia e Santuário Nossa Senhora de Loreto:

Ladeira da Freguesia, 375 -Freguesia - Jacarepaguá – RJ

CEP 22760-090

Saiba mais  

Entre em contato conosco através dos emails da Administração, Ação Social Loreto, Pe. Barnabitas, Igreja N. Senhora de Loreto, Jornal O Mensageiro, Secretaria, Pascom e Pastoral da Juventude.

Saiba mais

Confira o horário de atendimento de nossa secretaria, missas, confissões, eucaristia e batismo.

Saiba mais
CAPELAS

capelaNeste espaço, você encontrará os endereços das Capelas assistidas pela nossa paróquia e seus respectivos horários das Missas:

    • » NOSSA SENHORA DA PENNA
    • » NOSSA SENHORA DO AMPARO
    • » NOSSA SENHORA DE BELÉM
    • » SÃO JOSÉ (CARMELO)
    • » SANTO ANTONIO
Saiba mais
HISTÓRICO DA PARÓQUIA

quem_somosPrezado leitor, querido paroquiano.

Sim. Agora podemos dizer que Nossa Senhora de Loreto é Patrona do nosso povo de Jacarepaguá há mais de 350 anos.

Quando o P. Manoel de Araujo veio de Lisboa, trouxe esta imagem e, tendo conseguido alguns favores por intercessão da Virgem, lhe dedicou um santuário. Conta o Frei Agostinho de Santa Maria no seu livro “Santuário Mariano e história das imagens milagrosas de Nossa Senhora” de 1723:

Saiba mais
HISTÓRICO DO SANTUÁRIO

hist_santuarioO Brasil, em colonização pelos portugueses, saía do Ciclo do Pau Brasil e ingressava no do Açúcar. Desenvolvia-se em terras litorâneas a construção de engenhos e fazia-se presente atividade febril nos meses de moagem da cana e fabrico de açúcar.

As terras de Jacarepaguá eram consideradas extremamente férteis e a região onde seria construída a Igreja do Loreto era denominada Planície dos Onze Engenhos...

Saiba mais
CEPAR

CeparO CEPAR (Centro de Estudos paroquial Nossa senhora de Loreto), inaugurado em Maio de 2000, uma área construída de cerca de 3000 m2, um complexo com 15 salas de aula cada uma com 30 lugares, um plenário para cerca de 120 participantes, um salão para festas e eventos abrigando 50 mesas redondas de 6 lugares, sem prejuízo da pista de dança e a varanda que circunda o salão pode abrigar 20 mesas redondas de 6 lugares,portanto, cerca de 420 pessoas podem desfrutar dos eventos no salão...

Saiba mais
HISTÓRICO DE NOSSA SENHORA DE LORETO

Historico N. Sra. LoretoNossa Senhora de Loreto

A ditosa casa de Nazaré, onde, após a saudação do Anjo à futura Mãe de Deus, o Verbo se fez Carne, foi transportada, segundo a tradição, para a cidade de Loreto, na Itália.

A Santa Casa de Loreto foi o primeiro santuário de porte internacional dedicado à Santíssima Virgem tendo sido, durante muitos séculos, o verdadeiro centro Mariano da Cristandade....

Saiba mais
Facebook
Twitter
YouTube
INSTAGRAM