Temas bíblicos – Carta aos Hebreus (2) Introdução (II)

Para manter o fervor da caridade (6,11), manter “o senso moral exercitado para discernir o bem e o mal” (5,14) e “degustar a doutrina da justiça” (5,13), o autor da carta propõe a reflexão sobre o Filho eternamente perfeito (7,28b), o Sumo Sacerdote que entrou no céu como precursor (6,20), nosso Senhor Jesus, que “o Deus da Paz fez subir dentre os mortos, que se tornou, pelo sangue de uma Aliança eterna, o Grande Pastor das ovelhas” (13,20). Deus o levou à perfeição por meio do sofrimento (2,10). Se queremos participar da Glória de Nosso Senhor Jesus devemos passar pelo mesmo sofrimento, para sentarmos com ele à direita da Majestade. Além do mais, sua morte foi sofrida por ele para a nossa redenção. Portanto, tendo sido iluminados, tendo degustado o Espírito da Palavra, tendo participado dos sofrimentos dos santos, aceitado o despojamento dos bens, sabendo de possuir bens maiores, “não negligenciemos tamanha salvação” (2,3).

Temos no céu, “em relação a Deus, um sumo sacerdote misericordioso e fiel para expiar os pecados do povo. Pois, tendo ele mesmo sofrido pela tentação, é capaz de socorrer os que são tentados” (2,18). Em segundo lugar, estamos no tempo definitivo; realizou-se a figura; “guardemos bem a graça do Reino inabalável que Deus nos anuncia pelo Filho glorificado” (12,28). Na sua argumentação, o autor utiliza uma contínua comparação entre a antiga aliança e a nova aliança. A superioridade desta última é motivo de grande segurança para os que crêem. Nos nossos dias que são os últimos, os prodígios que Israel viu, na verdade figuras didáticas, se realizaram. Fomos contemplados por uma Aliança no sangue de Jesus Cristo, conhecemos o verdadeiro Monte do Santo, caminhamos para a verdadeira pátria “que está para vir” (13,14). Nós é que estamos ouvindo aquilo que, em figura, Israel ouviu, porque Deus nos fala no Filho. Podemos distinguir (5,14) entre a vaidade da criação e o que é inabalável: a graça do Reino. Recebemos a graça da Salvação (2,3) e o mistério do Reino (12,28). Sirvamos a Deus, observemos os ensinamentos do Senhor e dos Apóstolos “para não nos transviarmos”. Aceitemos as provações pelas quais Deus nos comunica a santidade (12,10); elas produzem frutos de paz e justiça (v.11). De fato, a vida cristã se desenvolve por etapas: conversão, batismo, Espírito, dons, caridade, perseverança na tribulação, esperança. A Igreja, à qual o autor da carta se dirige, viveu a iluminação, os dons, mas é “de perseverança que tem necessidade”, condição para agradar a Deus em tudo, sem esmorecer. A maneira para se animar é a assembleia dominical pela qual a Palavra habita em nós plenamente (Cl 3,16). Lá há quem, repleto de sabedoria, como Estevão, ensina e admoesta. A ação de graças é promovida (ibid.). Pelo Senhor Jesus, alcançamos toda graça (Jo 14,13;15,16).

O Autor utiliza uma argumentação que sensibiliza os filhos de Abraão: Jesus é o Filho (Sl 2,7), o Rei que, pela sua imolação, desposa a Igreja (Sl 45). Nessa condição, é, também, nosso Sumo Sacerdote porque, Aquele que recebeu o nome de Senhor, Deus, por um juramento, chamou ao sacerdócio, como fez com Aarão (Sl 110,1.4).

Aquele que é superior aos sacerdotes da terra, porque realiza em si a figura de Melquisedec e, por um juramento de Deus, é estabelecido Sumo Sacerdote para sempre, é de condição divina: “Resplendor de sua Glória e Expressão do seu Ser, sustenta o universo com o poder de sua palavra” (1,3). É nessa condição que realiza, com a sua Morte, a purificação dos pecados, abole a primeira tenda, entrando, uma vez por todas, no Santuário que está no céu, passando pelo véu da sua humanidade, e se torna Mediador de uma definitiva aliança. Embora sendo homem, senta à direita da Majestade, porque é Filho.

A nossa herança é a Cidade celeste, da qual participaremos se formos perfeitos como os justos. Será Deus que nos julgará. Temos que proceder com temor e tremor porque ele é um “fogo abrasador (12,29).

btn_cepar_468x150  Cepar
  • Alfabetização, cidadania, comunicação, saúde, coral, ações sociais e eventos, você encontra aqui!
Saiba mais

Apostolado da Oração, Congregação Mariana, Grupos de Oração, Liga Católica, Movimento Mãe Rainha e Pastoral Vocacional...

Saiba mais

Você, jovem ou adolescente, que quer se aproximar mais de Deus, confira as opções de grupos jovens que nossa paróquia oferece.

Saiba mais

Aqui você encontrará informações sobre CF, Fé e Dons, Círculos Bíblicos, Cursos da Palavra, Escola de Evangelização Santo André e Mater Eclesiae e Luz e Vida.

Saiba mais

Informações sobre Batismo, Crisma ou Confirmação, Eucaristia, Confissão ou Penitência, Extrema Unção, Ordem e Matrimônio ministrados em nossa paróquia.

Saiba mais

localVeja o mapar de como chegar a Paróquia e Santuário Nossa Senhora de Loreto:

Ladeira da Freguesia, 375 -Freguesia - Jacarepaguá – RJ

CEP 22760-090

Saiba mais  

Entre em contato conosco através dos emails da Administração, Ação Social Loreto, Pe. Barnabitas, Igreja N. Senhora de Loreto, Jornal O Mensageiro, Secretaria, Pascom e Pastoral da Juventude.

Saiba mais

Confira o horário de atendimento de nossa secretaria, missas, confissões, eucaristia e batismo.

Saiba mais
CAPELAS

capelaNeste espaço, você encontrará os endereços das Capelas assistidas pela nossa paróquia e seus respectivos horários das Missas:

    • » NOSSA SENHORA DA PENNA
    • » NOSSA SENHORA DO AMPARO
    • » NOSSA SENHORA DE BELÉM
    • » SÃO JOSÉ (CARMELO)
    • » SANTO ANTONIO
Saiba mais
HISTÓRICO DA PARÓQUIA

quem_somosPrezado leitor, querido paroquiano.

Sim. Agora podemos dizer que Nossa Senhora de Loreto é Patrona do nosso povo de Jacarepaguá há mais de 350 anos.

Quando o P. Manoel de Araujo veio de Lisboa, trouxe esta imagem e, tendo conseguido alguns favores por intercessão da Virgem, lhe dedicou um santuário. Conta o Frei Agostinho de Santa Maria no seu livro “Santuário Mariano e história das imagens milagrosas de Nossa Senhora” de 1723:

Saiba mais
HISTÓRICO DO SANTUÁRIO

hist_santuarioO Brasil, em colonização pelos portugueses, saía do Ciclo do Pau Brasil e ingressava no do Açúcar. Desenvolvia-se em terras litorâneas a construção de engenhos e fazia-se presente atividade febril nos meses de moagem da cana e fabrico de açúcar.

As terras de Jacarepaguá eram consideradas extremamente férteis e a região onde seria construída a Igreja do Loreto era denominada Planície dos Onze Engenhos...

Saiba mais
CEPAR

CeparO CEPAR (Centro de Estudos paroquial Nossa senhora de Loreto), inaugurado em Maio de 2000, uma área construída de cerca de 3000 m2, um complexo com 15 salas de aula cada uma com 30 lugares, um plenário para cerca de 120 participantes, um salão para festas e eventos abrigando 50 mesas redondas de 6 lugares, sem prejuízo da pista de dança e a varanda que circunda o salão pode abrigar 20 mesas redondas de 6 lugares,portanto, cerca de 420 pessoas podem desfrutar dos eventos no salão...

Saiba mais
HISTÓRICO DE NOSSA SENHORA DE LORETO

Historico N. Sra. LoretoNossa Senhora de Loreto

A ditosa casa de Nazaré, onde, após a saudação do Anjo à futura Mãe de Deus, o Verbo se fez Carne, foi transportada, segundo a tradição, para a cidade de Loreto, na Itália.

A Santa Casa de Loreto foi o primeiro santuário de porte internacional dedicado à Santíssima Virgem tendo sido, durante muitos séculos, o verdadeiro centro Mariano da Cristandade....

Saiba mais