Semana Santa – Abril 2019

 

Desde a quarta-feira de cinzas, até a quinta-feira Santa, quando se encerra o tempo da quaresma, a Igreja nos convida, de forma especial, à conversão. Somos chamados ao silêncio, a oração, a penitência e a prática da caridade, nos preparando para, com coragem, vivermos a Semana Santa, que nos recorda os últimos dias de Jesus e é período mais importante do calendário litúrgico, já que esses dias são marcados por sua paixão, morte e ressurreição.

A cada passo que damos ao lado de Jesus, desde o seu nascimento e por toda a sua vida pública, renovamos e fortalecemos a nossa fé. A cada passo que damos ao lado de Jesus, na semana santa, até a Páscoa, não só renovamos a nossa fé, como temos a oportunidade de perceber e viver com Ele o grande mistério do amor de Deus por nós.

A Semana Santa tem uma simbologia toda própria. O Objetivo desses símbolos é de tornar visível a beleza das celebrações que manifestam o Mistério da Salvação.

Os principais símbolos são a cruz, o cordeiro, os ramos, o pão e vinho e o círio pascal.

A cruz, local de punição, se tornou para os que crêem, em um sinal de amor e reconciliação de Deus com a humanidade. Claramente, a cruz nos é importante porque é a marca de nossa salvação, dada por Jesus. São João Paulo II disse que ela é “sinal de um amor sem limites”. Quando fazemos o sinal da cruz sobre nosso corpo, nos colocarmos sob a proteção de Deus, que é Uno e Trino.

Cordeiro: No Antigo Testamento, um cordeiro era oferecido por quem se arrependia de seus pecados. O cordeiro tomava o lugar dessa pessoa. Quando morreu na cruz, Jesus tomou nosso lugar, como o cordeiro sacrificado, o cordeiro de Deus, que tirou o pecado do mundo.

Ramos: Nos lembram a festa do reconhecimento de Jesus como o filho de Deus.

O pão e o vinho: Na última ceia, na noite em que ia ser entregue, Jesus, ofereceu a Deus Pai o seu Corpo e Sangue sob as espécies do Pão e do Vinho, e os entregou para os Apóstolos para que os tomassem, mandando-lhes também oferecer aos seus sucessores. Nesta missa da Ceia do Senhor, faz-se a memória da instituição da Eucaristia e do Sacerdócio.

O Círio Pascal, aceso na noite da Vigília pelo fogo novo, representa a luz de Cristo que vence as trevas e faz brilhar sobre os homens a verdadeira esperança.

 

 

Celebrando a Semana Santa no Loreto

A Semana Santa não é feriado prolongado. Como já foi dito, é o período mais importante do nosso calendário litúrgico, que nos recorda Aquele que, Condenado à morte na cruz e sepultado, ressuscitou três dias após, num domingo. A ressurreição de Jesus Cristo é o ponto central e mais importante da fé cristã. Através da sua ressurreição, Jesus prova que a morte não é o fim e que Ele é verdadeiramente o Filho de Deus. O temor dos discípulos em razão da morte de Jesus, na Sexta-feira, transforma-se em esperança e júbilo. É a partir deste momento que eles adquirem força para continuar anunciando a mensagem do Senhor, e, é assim que deve ser conosco.

No Loreto, as celebrações da Semana Santa, são marcadas pela simplicidade que contrasta com uma beleza escondida, mas que paira no ar. São momentos de fortes emoções.

 

Abaixo um roteiro explicado pelo nosso querido padre, Luiz Antonio:

 

A semana santa começa no Domingo de Ramos que esse ano será no dia 14 de abril. Como no sábado anterior se celebram as missas de domingo, então a cerimonia começa no sábado à tarde com a missa das 18h30.

A cerimônia dos ramos está dividida em duas partes: a primeira parte é a benção e a procissão de ramos que recordam a entrada triunfal de Jesus em Jerusalém. Canta-se algum hino de alegria, de exultação como, por exemplo, “Hosana hei”. Após a procissão há a segunda parte que começa com a liturgia da palavra, da paixão de Jesus. Saímos do clima de alegria, de exultação e de festa, para um clima de recolhimento, de atenção, para podermos participar bem do mistério da paixão, morte e ressurreição de Jesus.

Na segunda feira da semana santa, é costume em nossa paróquia após a missa das 19h30, haver uma reflexão pertinente sobre a semana santa. O palestrante vai explicar aos presentes, algum sentido da Semana santa em si, ou de algo relacionado a essa semana.

Na terça feira costumamos fazer, no pátio das mangueiras, uma Via Sacra, acompanhando o mesmo roteiro que é o roteiro da Via Sacra da quaresma, que segue o do livrinho da Campanha da Fraternidade.

Na quarta feira, fazemos a tradicional procissão do encontro. Por se tratar de uma cidade grande, com uma complexidade de questões a serem resolvidas para se realizar uma procissão, nós fazemos uma um pouco mais simples. As mulheres, com a imagem de Nossa Senhora das Dores saem do CEPAR e os homens com a imagem do senhor dos passos, saem do portão principal do Loretão e os dois grupos caminham até se encontrarem na frente do Santuário, onde ocorre o sermão do encontro, marcando esse dia já, bem próximo do tríduo sacro.

Na quinta feira Santa celebra-se a última ceia, o lava pés, a instituição da eucaristia e do sacerdócio. Uma missa a noite, então todas essas realidades são vividas de maneira solene. Ao final da Missa se faz o translado do Santíssimo sacramento para o altar principal do santuário. A partir desse momento, vários grupos que são convidados previamente vão de hora em hora fazer a sua adoração ao Santíssimo Sacramento, que nós chamamos comumente de Vigília do Horto, lembrando Jesus e seus discípulos no jardim das oliveiras, aguardando em oração a chegada daqueles que o iriam prender. Essa adoração dura até uma hora antes da celebração litúrgica da sexta feira da paixão.

A Sexta Feira Santa, às 15h, celebramos no Loretão, a Paixão e Morte de Jesus, com a leitura da narração da Paixão do Senhor, seguida da oração universal, a adoração da cruz e com a comunhão. Neste dia não há missa.

Após a celebração litúrgica da paixão, participamos em frente à igreja, do Teatro da Paixão, que é montado pelo grupo de teatro da paróquia, geralmente fazendo uma ligação entre o tema da campanha da fraternidade que esse ano é fraternidade e políticas públicas com a paixão e morte e ressureição de Jesus. Nos últimos anos tivemos a alegria e a felicidade de ver apresentações belíssimas e muito bem situadas na realidade daquela época e na nossa realidade atual.

Após esse teatro, temos a grande Procissão do Senhor Morto que sai pelas ruas de nossa paróquia descendo a ladeira da freguesia, atravessando o largo da freguesia, seguindo pela Tirol, virando a esquerda na Com. Rubens Silva, pegando um pequeno trecho da Estrada dos Três Rios, dobrando a direita na Xingu e depois a esquerda na Araguaia, atravessando a Geremário Dantas e subindo novamente a ladeira da igreja, quando se encerra toda a atividade daquele dia.

O Sábado Santo é marcado pela vigília pascal. Vigília que tem os momentos da celebração do fogo e da luz, o anúncio da pascoa, depois as sete leituras com seus respectivos salmos (sete leituras do antigo testamento narrando aspectos importantes da história da salvação), depois temos o canto do glória, a leitura do novo testamento, a proclamação com o canto solene do aleluia, que volta a ser utilizado na liturgia, depois o evangelho, e nessa missa costuma acontecer o batizado de jovens e adultos, vários fazem a sua primeira comunhão e um ou outro recebe o sacramento da crisma. Após segue normalmente a celebração até o seu término.

Domingo de Páscoa celebramos essa grande festa, a maior de todas as festas da nossa liturgia católica, nos horários normais de domingo. Fecha-se assim esse ciclo e podemos aproveitar muito bem seus frutos e leva-los pelo resto do ano e porque não dizer pelo resto da vida.

Padre Luiz Antonio, CRSP.

 

Saber, nunca é demais:

 

Durante o tempo pascal não rezamos o Angelus, que é uma oração que medita o mistério da ENCARNAÇÃO de Jesus.

 

No tempo pascal, até o dia de Pentecostes, essa oração é substituída pelo Regina Coeli, que medita junto a Mãe de Deus, a alegria da RESSURREIÇÃO de Jesus.

Também é rezado três vezes, consagrando o nosso dia a Deus. Ao amanhecer, ao meio-dia e ao entardecer.

 

V. Rainha do Céu, alegrai-vos, Aleluia!

R. Porque Aquele que merecestes trazer em Vosso ventre, Aleluia!

V. Ressuscitou como disse, Aleluia!

R. Rogai por nós a Deus, Aleluia!

V. Exultai e alegrai-vos, ó Virgem Maria, Aleluia!

R. Porque o Senhor ressuscitou verdadeiramente, Aleluia!

Oremos:

Ó Deus, que Vos dignastes alegrar o mundo com a Ressurreição do Vosso Filho Jesus Cristo, Senhor Nosso, concedei-nos, Vos suplicamos, que por sua Mãe, a Virgem Maria, alcancemos as alegrias da vida eterna. Por Cristo, Senhor Nosso. Amém.

Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo, como era no princípio agora e sempre. Amém. (Três vezes).

 

 

btn_cepar_468x150  Cepar
  • Alfabetização, cidadania, comunicação, saúde, coral, ações sociais e eventos, você encontra aqui!
Saiba mais

Apostolado da Oração, Congregação Mariana, Grupos de Oração, Liga Católica, Movimento Mãe Rainha e Pastoral Vocacional...

Saiba mais

Você, jovem ou adolescente, que quer se aproximar mais de Deus, confira as opções de grupos jovens que nossa paróquia oferece.

Saiba mais

Aqui você encontrará informações sobre CF, Fé e Dons, Círculos Bíblicos, Cursos da Palavra, Escola de Evangelização Santo André e Mater Eclesiae e Luz e Vida.

Saiba mais

Informações sobre Batismo, Crisma ou Confirmação, Eucaristia, Confissão ou Penitência, Extrema Unção, Ordem e Matrimônio ministrados em nossa paróquia.

Saiba mais

localVeja o mapar de como chegar a Paróquia e Santuário Nossa Senhora de Loreto:

Ladeira da Freguesia, 375 -Freguesia - Jacarepaguá – RJ

CEP 22760-090

Saiba mais  

Entre em contato conosco através dos emails da Administração, Ação Social Loreto, Pe. Barnabitas, Igreja N. Senhora de Loreto, Jornal O Mensageiro, Secretaria, Pascom e Pastoral da Juventude.

Saiba mais

Confira o horário de atendimento de nossa secretaria, missas, confissões, eucaristia e batismo.

Saiba mais
CAPELAS

capelaNeste espaço, você encontrará os endereços das Capelas assistidas pela nossa paróquia e seus respectivos horários das Missas:

    • » NOSSA SENHORA DA PENNA
    • » NOSSA SENHORA DO AMPARO
    • » NOSSA SENHORA DE BELÉM
    • » SÃO JOSÉ (CARMELO)
    • » SANTO ANTONIO
Saiba mais
HISTÓRICO DA PARÓQUIA

quem_somosPrezado leitor, querido paroquiano.

Sim. Agora podemos dizer que Nossa Senhora de Loreto é Patrona do nosso povo de Jacarepaguá há mais de 350 anos.

Quando o P. Manoel de Araujo veio de Lisboa, trouxe esta imagem e, tendo conseguido alguns favores por intercessão da Virgem, lhe dedicou um santuário. Conta o Frei Agostinho de Santa Maria no seu livro “Santuário Mariano e história das imagens milagrosas de Nossa Senhora” de 1723:

Saiba mais
HISTÓRICO DO SANTUÁRIO

hist_santuarioO Brasil, em colonização pelos portugueses, saía do Ciclo do Pau Brasil e ingressava no do Açúcar. Desenvolvia-se em terras litorâneas a construção de engenhos e fazia-se presente atividade febril nos meses de moagem da cana e fabrico de açúcar.

As terras de Jacarepaguá eram consideradas extremamente férteis e a região onde seria construída a Igreja do Loreto era denominada Planície dos Onze Engenhos...

Saiba mais
CEPAR

CeparO CEPAR (Centro de Estudos paroquial Nossa senhora de Loreto), inaugurado em Maio de 2000, uma área construída de cerca de 3000 m2, um complexo com 15 salas de aula cada uma com 30 lugares, um plenário para cerca de 120 participantes, um salão para festas e eventos abrigando 50 mesas redondas de 6 lugares, sem prejuízo da pista de dança e a varanda que circunda o salão pode abrigar 20 mesas redondas de 6 lugares,portanto, cerca de 420 pessoas podem desfrutar dos eventos no salão...

Saiba mais
HISTÓRICO DE NOSSA SENHORA DE LORETO

Historico N. Sra. LoretoNossa Senhora de Loreto

A ditosa casa de Nazaré, onde, após a saudação do Anjo à futura Mãe de Deus, o Verbo se fez Carne, foi transportada, segundo a tradição, para a cidade de Loreto, na Itália.

A Santa Casa de Loreto foi o primeiro santuário de porte internacional dedicado à Santíssima Virgem tendo sido, durante muitos séculos, o verdadeiro centro Mariano da Cristandade....

Saiba mais
Facebook
Twitter
YouTube
INSTAGRAM