Profissão de Fé – dez2017

 

Morrer em Cristo Jesus
 

                Para ressuscitar com Cristo é preciso morrer com Cristo. Significa morrer na graça de Deus, sem pecado mortal e estar no caminho para a comunhão com Cristo ressuscitado.

                Na morte separam-se o corpo e a alma. O corpo decompõe-se, enquanto a alma vai ao encontro de Deus e espera que, no Juízo Final, seja unida ao seu corpo ressuscitado no dia da ressurreição dos mortos. O “como” da ressurreição do nosso corpo é um mistério.

Quem morre regressa à casa do amor de Deus, seu Criador.

               

A morte

                A morte corporal é natural. Ela é o termo da vida terrestre e acontece com todos os seres vivos. Ao longo da vida somos medidos pelo tempo, passamos por diversas mudanças: nascemos, crescemos, envelhecemos e morremos. Embora o homem tivesse uma natureza mortal, Deus o destinava não morrer.

A Sagrada Escritura, a Tradição e o Magistério da Igreja nos ensinam que a morte entrou no mundo por causa do pecado do homem, como consequência do pecado. Para a fé, a morte na realidade é “salário do pecado (Rm 6,23).

Jesus, o Filho de Deus, como verdadeiro homem, sofreu também a morte. E Marcos nos diz, em 14,33-34.36 que “… começou ficar com medo e angústia… minha alma está numa tristeza de morte”, mas assumiu-a em um ato de submissão total e livre à vontade do seu Pai, conforme lemos “Ele rezava: Abba! Pai! Tudo é possível para ti! Afasta de mim este cálice! Contudo, não seja o que eu quero, e sim o que tu queres”.  A obediência de Jesus transformou a maldição da morte em benção. (Cf. Rm 5,19-21). Por sua morte ele venceu a morte, abrindo, assim, a todos os homens a possibilidade da salvação.

 

O sentido da morte cristã

Graças a Jesus, a morte tem um sentido positivo. A tal ponto que São Paulo nos diz em Fl 1,21 “Para mim, a vida é Cristo, e morrer é lucro”.

Pelo Batismo, o cristão já está sacramentalmente “morto em Cristo”, para viver de uma vida nova. E, se morrermos na graça de Cristo, a morte física consuma este “morrer em Cristo” e completa, assim, nossa incorporação a ele em seu ato redentor.

Na morte, Deus chama o homem a si. É por isso que podemos sentir em relação à morte um desejo semelhante ao de São Paulo: “O meu desejo é partir e ir estar com Cristo” (Fl 1,23).

“Quero ver a Deus, e para vê-lo é preciso morrer” Santa Teresa de Jesus.

“Eu não morro, entro na vida” Santa Teresinha do Menino Jesus.

“Não é a morte que me vai buscar, mas Deus” Santa Teresinha do Menino Jesus.

A liturgia da Igreja, no prefácio dos defuntos diz “Senhor, para os que creem em vós, a vida não é tirada, mas transformada”.

Em Hb 9,27: “os homens devem, morrer uma só vez”; não voltaremos mais a outras vidas terrestres. Não existe “reencarnação” depois da morte.

A certeza da morte nos marca com um caráter de urgência: nos recorda que temos um tempo limitado para as realizações de nossas vidas.

A morte é o fim da nossa peregrinação terrestre, do tempo de graça e de misericórdia que Deus nos oferece para realizarmos nossa vida terrestre segundo o projeto divino e para decidirmos nosso destino último. Devemos, pois viver o hoje… Pensando na eternidade.

A Igreja nos encoraja à preparação da hora de nossa morte: “Livrai-nos, Senhor, de uma morte súbita e imprevista” (antiga ladainha de todos os santos) e também a pedir a intercessão de Nossa Senhora, quando com as palavras da Ave Maria dizemos: “na hora da nossa morte”. Talvez, muitos de nós, ao rezarmos esta oração não nos damos conta desse pedido tão especial.

Terminando esses ensinamentos, transcrevo, para nossa reflexão, dois textos: o primeiro da “Imitação de Cristo” e o segundo do “Cântico das criaturas” de São Francisco de Assis:

 

“Em todas as tuas ações, em todos os teus pensamentos deverias comportar-se como se tivesses de morrer hoje. Se tua consciência estivesse tranquila, não terias muito medo da morte. Seria melhor evitar o pecado que fugir da morte. Se não estás preparado hoje, como o estarás amanhã?”

“Louvado sejais, meu Senhor, por nossa irmã, a morte corporal, da qual homem algum pode escapar. Ai dos que morrerem em pecado mortal, felizes aqueles que ela encontrar conforme a vossa santíssima vontade, pois a segunda morte não lhes fará mal”.

 

Jane do Tércio

btn_cepar_468x150  Cepar
  • Alfabetização, cidadania, comunicação, saúde, coral, ações sociais e eventos, você encontra aqui!
Saiba mais

Apostolado da Oração, Congregação Mariana, Grupos de Oração, Liga Católica, Movimento Mãe Rainha e Pastoral Vocacional...

Saiba mais

Você, jovem ou adolescente, que quer se aproximar mais de Deus, confira as opções de grupos jovens que nossa paróquia oferece.

Saiba mais

Aqui você encontrará informações sobre CF, Fé e Dons, Círculos Bíblicos, Cursos da Palavra, Escola de Evangelização Santo André e Mater Eclesiae e Luz e Vida.

Saiba mais

Informações sobre Batismo, Crisma ou Confirmação, Eucaristia, Confissão ou Penitência, Extrema Unção, Ordem e Matrimônio ministrados em nossa paróquia.

Saiba mais

localVeja o mapar de como chegar a Paróquia e Santuário Nossa Senhora de Loreto:

Ladeira da Freguesia, 375 -Freguesia - Jacarepaguá – RJ

CEP 22760-090

Saiba mais  

Entre em contato conosco através dos emails da Administração, Ação Social Loreto, Pe. Barnabitas, Igreja N. Senhora de Loreto, Jornal O Mensageiro, Secretaria, Pascom e Pastoral da Juventude.

Saiba mais

Confira o horário de atendimento de nossa secretaria, missas, confissões, eucaristia e batismo.

Saiba mais
CAPELAS

capelaNeste espaço, você encontrará os endereços das Capelas assistidas pela nossa paróquia e seus respectivos horários das Missas:

    • » NOSSA SENHORA DA PENNA
    • » NOSSA SENHORA DO AMPARO
    • » NOSSA SENHORA DE BELÉM
    • » SÃO JOSÉ (CARMELO)
    • » SANTO ANTONIO
Saiba mais
HISTÓRICO DA PARÓQUIA

quem_somosPrezado leitor, querido paroquiano.

Sim. Agora podemos dizer que Nossa Senhora de Loreto é Patrona do nosso povo de Jacarepaguá há mais de 350 anos.

Quando o P. Manoel de Araujo veio de Lisboa, trouxe esta imagem e, tendo conseguido alguns favores por intercessão da Virgem, lhe dedicou um santuário. Conta o Frei Agostinho de Santa Maria no seu livro “Santuário Mariano e história das imagens milagrosas de Nossa Senhora” de 1723:

Saiba mais
HISTÓRICO DO SANTUÁRIO

hist_santuarioO Brasil, em colonização pelos portugueses, saía do Ciclo do Pau Brasil e ingressava no do Açúcar. Desenvolvia-se em terras litorâneas a construção de engenhos e fazia-se presente atividade febril nos meses de moagem da cana e fabrico de açúcar.

As terras de Jacarepaguá eram consideradas extremamente férteis e a região onde seria construída a Igreja do Loreto era denominada Planície dos Onze Engenhos...

Saiba mais
CEPAR

CeparO CEPAR (Centro de Estudos paroquial Nossa senhora de Loreto), inaugurado em Maio de 2000, uma área construída de cerca de 3000 m2, um complexo com 15 salas de aula cada uma com 30 lugares, um plenário para cerca de 120 participantes, um salão para festas e eventos abrigando 50 mesas redondas de 6 lugares, sem prejuízo da pista de dança e a varanda que circunda o salão pode abrigar 20 mesas redondas de 6 lugares,portanto, cerca de 420 pessoas podem desfrutar dos eventos no salão...

Saiba mais
HISTÓRICO DE NOSSA SENHORA DE LORETO

Historico N. Sra. LoretoNossa Senhora de Loreto

A ditosa casa de Nazaré, onde, após a saudação do Anjo à futura Mãe de Deus, o Verbo se fez Carne, foi transportada, segundo a tradição, para a cidade de Loreto, na Itália.

A Santa Casa de Loreto foi o primeiro santuário de porte internacional dedicado à Santíssima Virgem tendo sido, durante muitos séculos, o verdadeiro centro Mariano da Cristandade....

Saiba mais
Facebook
Twitter
YouTube
INSTAGRAM