Movimentos

APOSTOLADO DA ORAÇÃO

APOSTOLADO DA ORAÇÃO

OREMOS COM O PAPA PELOS SACERDOTES

No quadro da V Conferência com o Episcopado Latino Americano e do Caribe no mês de maio, um dos eventos mais significativos é o encontro do Papa Bento XVI com os vocacionados de especial consagração na Igreja: sacerdotes, diáconos, religiosos e religiosas; incluindo ainda os seminaristas e candidatos à vida religiosa.

O encontro acontece no dia 12 de maio, durante a recitação do Santo Rosário, no Santuário Nacional de Nossa Senhora Aparecida. Onde se encontram os discípulos e missionários de Jesus Cristo a Mãe de Deus está presente, inspirando as palavras confortadoras do Papa e abençoando os discípulos que seu Filho escolheu.

O Apostolado da Oração se preza de rezar especialmente pelos sacerdotes, seminaristas e vocações religiosas, acolhendo a voz de JESUS: “A messe é abundante, mas os operários pouco numerosos. Pedi ao Senhor da messe que envie operários para sua messe” Lc 10,2.

Nossa oração fica ainda mais estimulada pelo gesto do Papa e pela palavra do nosso Cardeal-Arcebispo: “Rezemos para que Deus nos dê sempre bons e santos padres, segundo o seu coração” (L’0sservatore Romano 24.3.07). Pe. Javier

Coordenação do Apostolado da Oração Paróquia N. Sra.de Loreto

CONGREGAÇÃO MARIANA

As Congregações Marianas tiveram início em 1563, quando o jesuíta Pe. Jean Leunis começou, entre os alunos do Colégio Romano, em Roma, um sodalício (grupo) cujos membros se distinguiam por uma vida cristã e mariana fervorosa e pela prática de diversas formas de apostolado.

Enquanto as Congregações Marianas se espalhavam rapidamente pelo mundo, sobretudo nos Colégios da Companhia de Jesus, a Congregação Mariana do Colégio Romano foi erigida canonicamente, em 1584, pela Bula “Omnipotentis Dei” do Papa Gregório XIII, com o título de “Prima Primaria” (a primeira). A ela passaram a ser agregadas até 1967, as diversas Congregações de todas as partes do mundo, as quais podiam participar dos mesmos benefícios espirituais que lhe haviam sido concedidos pela Sé Apostólica.

Em 1748, com a Bula Áurea “Gloriosae Dominae”, o Papa Bento XIV enriqueceu as Congregações Marianas com especiais privilégios. Mesmo após a supressão da Companhia de Jesus em todo o mundo, as Congregações Marianas continuaram a existir, confirmadas em 1773 pelo Breve “Commendatissimam” do Papa Clemente XIV. Em 1948, no segundo centenário da Bula “Gloriosae Dominae”, o Papa Pio XII, pela Constituição Apostólica “Bis Saeculari” (BS), deu às Congregações Marianas o que passou a ser sua Carta Magna.

Em 1967, no impulso renovador que aconteceu nas associações religiosas após o Concílio Vaticano II, a Federação Mundial das Congregações Marianas, reunida em Roma, propôs uma modificação substancial das Regras Comuns, aprovadas pela Santa Sé em 1587 e atualizadas em 1910, substituindo-as pelos Princípios Gerais e as Normas Gerais, bem como a mudança do nome para Comunidade de Vida Cristã(CVX), para marcar a volta as origens da Espiritualidade Inaciana. Aceitos provisoriamente e, depois de 31 de maio de 1971, de modo definitivo, pela Santa Sé, esses documentos sofreram várias modificações sucessivas, sendo a última aprovada por Decreto do Pontifício Conselho para os Leigos, em 3 de dezembro de 1990.

Em sua longa história, as Congregações Marianas, como verdadeiras “escolas vivas de piedade e vida cristã operante” (BS, 16; ver também BS, 12), deram, até o presente, à Igreja, pelo menos 62 santos canonizados e 46 beatos, 22 fundadores de Institutos Religiosos, mártires, missionários e leigos de vida cristã exemplar. De 1567 até agora, entre os 31 Papas que ocuparam a Cátedra de São Pedro, 23 eram Congregados Marianos, inclusive o Papa João Paulo II que, aos 14 anos, foi membro-fundador de uma Congregação Mariana, em sua cidade natal.

 

Congregação Mariana do Brasil

No Brasil, as Congregações Marianas existiram no período colonial, sobretudo nos Colégios da Companhia de Jesus e praticamente desapareceram com a expulsão dos jesuítas, em 1759.

Em 1870, foi fundada novamente uma Congregação Mariana, agregada à Prima Primária, em Itu, Estado de São Paulo, e, a partir de então, tiveram elas notável crescimento em todo o País, quer em Paróquias ou em outros ambientes.

Em 1927, iniciou-se o movimento federativo com a primeira Federação Estadual, no estado de São Paulo.

Em 1937, criou-se a Confederação Nacional com sede no Rio de Janeiro. Foi o Brasil, nesta época, o líder, em todo o mundo, no número e crescimento de Congregações e Congregados. A mudança, em nível mundial, acontecida em 1967, não deixou de afetar a vida das Congregações Marianas no Brasil.

Em 1970, em reunião nacional realizada em Juiz de Fora, Minas Gerais, foram por elas aceitos os Princípios Gerais, mas decidiu-se manter-se o nome tradicional de Congregação Mariana, aproveitando a liberdade concedida pela Federação Mundial das Comunidades de Vida Cristã, na Assembléia Mundial de 1967.

Em maio de 1988, o Conselho Mundial das Comunidades de Vida Cristã, mantendo o reconhecimento das Congregações Marianas no Brasil, admitiu também a representação, naquele Conselho, das primeiras Comunidades de Vida Cristã que, como tais, já começavam a existir no País. Criou-se assim, uma dupla presença do Brasil naquele Conselho Mundial, através de associações que funcionam completamente independentes uma da outra. Tal situação levou as Congregações Marianas do Brasil, na sua Assembléia Nacional realizada em novembro de 1991, em Aparecida, estado de São Paulo, a aprovar um novo Estatuto da Confederação Nacional, no qual há uma referência explícita a uma Regra de Vida a ser elaborada, a qual, substituindo em âmbito de Brasil, os Princípios Gerais e as Normas Gerais, fizesse das Congregações Marianas do Brasil uma associação religiosa de leigos, autônoma, com a marca característica da devoção mariana, como sempre foram e continuaram sendo no Brasil. Esta decisão teve aprovação do Assistente Eclesiástico Nacional das Congregações Marianas, o Arcebispo do Rio de Janeiro, Cardeal Dom Eugênio Sales.

Os Congregados Marianos do Brasil podem ser reconhecidos nas reuniões ou celebrações da Igreja pela fita que pende do pescoço da cor azul (cor litúrgica da Virgem Maria), em cuja extremidade está uma medalha prateada com a imagem do Nosso Senhor Jesus Cristo de um lado, de outro a da Mãe Santíssima, a Virgem Maria.

Fonte:  http://www.cncmb.org.br/

E.C.C.

Encontro de Casais Com Cristo

O Encontro de Casais com Cristo – ECC – é um serviço da Igreja,  em favor da evangelização das famílias. Procura construir o  Reino de Deus, aqui e agora, a partir da família, da comunidade  paroquial, mostrando pistas para que os casais se reencontrem com eles  mesmos, com os filhos, com a comunidade e, principalmente, com Cristo.  Para isto, busca compreender o que é “ser Igreja hoje” e de seu  compromisso com a dignidade da pessoa humana e com a Justiça Social.

A evangelização do matrimônio e da família é missão de toda a Igreja, em  que todos os fiéis devem cooperar segundo as próprias condições e  vocação. Deve partir do conceito exato de matrimônio e de família, à Luz  da Revelação, segundo o Magistério da Igreja (Orientações pastorais  sobre o matrimônio – CNBB Doc. Nº 12)     (DN-pág. 13)

Fonte: http://www.ecc.conselhonacional.com.br/j/ 

EQUIPE DA LITURGIA

EQUIPE DE LITURGIA

São as seguintes as seis equipes de Liturgia que coordenam as missas nos fim-de-semana, na Paróquia Nossa Senhora de Loreto:

SÁBADO – 18:00h

SÁBADO – 19:30h

DOMINGO – 07:00h

DOMINGO – 08:30h

DOMINGO – 10:00h

DOMINGO – 19:00h

Essas seis equipes estão subordinadas a um coordenador geral que se reporta diretamente ao pároco, sendo que a vigência do cargo de coordenadores é de dois anos.

Cada equipe é composta de: Responsável, Comentador, Leitores, Acolhimento, Apoio, Tesouraria e Música. Os membros das equipes se revezam nas funções a fim de estarem aptos a assumir qualquer função quando necessário.

Reúnem-se uma vez por mês para avaliação dos trabalhos já feitos e programar os próximos eventos.

Os coordenadores, por sua vez, reúnem-se com o coordenador geral para a avaliação e novas instruções.

Compete à equipe de Liturgia ajudar o padre na celebração, evitando distúrbios, interrupções, etc…, a fim de fazer da Liturgia uma antecipação do céu, e, fazendo o povo participar da oração.

Nossa paróquia existem também as missas diárias, durante a semana, de terça à sexta as 07:00h e de segunda a sexta as 19:30h, porém nestes horários não têm equipes formadas. Os trabalhos são feitos por pessoas da comunidade que costumam participar destes horários. Entretanto, quando há missas solenes/festivas durante a semana, é tradição as seis equipes participarem dos trabalhos se revezando a cada evento.

E.N.S.

E.N.S – Equipes de Nossa Senhora

FUNDAÇÃO

Em 1938 quatro casais franceses procuraram em Paris o Padre Henri Caffarel para que, sob a inspiração do Espírito Santo, pudesse orientá-los a viverem em plenitude a vocação de batizados no matrimônio. Em 25 de fevereiro de 1939 ocorreu a primeira reunião do grupo, coincidentemente com o início da crise européia decorrente da 2ª Grande Guerra Mundial.

ESTATUTOS

No período pós-guerra, a 08 de dezembro de 1947, com a expansão do Movimento ultrapassando as fronteiras da França e chegando à Bélgica,os casais dos diversos grupos, orientados pelo Pe. Henri Caffarel, elaboraram seus Estatutos, denominando-os de “CARTA DAS EQUIPES DE NOSSA SENHORA”.

Decidiram unirem-se em equipes de cinco a sete casais, tendo como mística a presença de Cristo, o auxílio mútuo e o testemunho do amor de Cristo como referencial, colocando-se sob o patrocínio de Nossa Senhora, porque “não há melhor guia para levar a Deus do que sua própria mãe”.

As Equipes de Nossa Senhora, embora tenham em Maria Santíssima sua padroeira, arrogam-se em ser um Movimento essencialmente cristocêntrico

CHEGADA AO BRASIL

Em 1950 o casal paulista Nancy e Pedro Moncau Junior – D. Nancy ainda é viva e participa ativamente do colegiado nacional das ENS – recebeu o indispensável apoio do Pe. Henri Caffarel e de Madeleine e Gerard d’Heilly, um dos quatro casais fundadores, para trazer o Movimento ao Brasil, à época já bastante difundido na França e na Bélgica. Com a criação da equipe brasileira, este casal assume sua ligação com o núcleo do Movimento em Paris.

O Brasil torna-se, então, o 3º País do Mundo a contar com as Equipes de Nossa Senhora e o 1º em língua não francesa.

Hoje as ENS no Brasil totalizam 2.200 equipes, distribuídas em todas as Regiões do País, com mais de 13.000 casais, o que delega à nação brasileira o primeiro lugar no Mundo em número de casais equipistas.

CONSELHEIRO ESPIRITUAL

Trata-se de um sacerdote que acompanha a equipe, com a finalidade de transmitir os princípios espirituais e auxiliar os casais a procurarem aplicá-los na própria vida.

Conselheiro espiritual e casais aprendem a compreender-se, a estimar-se e a auxiliar-se mutuamente. É, verdadeiramente, o casamento dos dois sacramentos do serviço: ordem e matrimônio

Reunidas em nome de Cristo e constituindo uma célula do sagrado corpo, as equipes têm necessidade do sacerdote que representa o Cristo para convertê-las em autêntica comunidade de fé. Atualmente, o Movimento no Brasil conta com a fundamental colaboração de 1.477 Conselheiros Espirituais.

RECONHECIMENTO DA IGREJA

O Decreto de Reconhecimento das Equipes de Nossa Senhora, baixado pelo Vaticano em 19 de abril de 1992 através do Pontifício Conselho para os Leigos, reconhece o Movimento como Associação Internacional de Fiéis de Direito Privado, nos termos dos cânones 298-311 e 321-329 do Código de Direito Canônico.

CARISMA

O carisma das Equipes de Nossa Senhora, o ser ou vocação, é a espiritualidade conjugal. E o fazer, a partir dessa vocação, realiza-se em três dimensões: em casal, no auxílio mútuo e na vivência cristã; em comunidade, na família por primeiro e na equipe por excelência; e na Igreja e no Mundo, através da missão de casal batizado, com a graça do sacramento do matrimônio e o auxílio mútuo da equipe e do Movimento.

Como corolário de seu carisma, as Equipes de Nossa Senhora cumprem o objetivo de “como Igreja, participar e comprometer-se com a construção de Reino, vivenciando em plenitude o Sacramento do Matrimônio”.

A manifestação da espiritualidade conjugal faz do casamento um lugar de amor e de felicidade, um caminho para a santidade e um vetor de irradiação para a família, para a comunidade e para o Mundo.

ESPIRITUALIDADE

A partir da oração e do diálogo entre os cônjuges, foram estabelecidos seis Pontos Concretos de Esforço (PCE’s), que se constituem em importantes e peculiares meios para o crescimento da espiritualidade conjugal: 1) escuta assídua da Palavra; 2) meditação diária; 3) oração conjugal; 4) dever de sentar-se (diálogo conjugal); 5) regra de vida (fixar um propósito de vida e revisá-lo mensalmente); e 6) retiro anual.

Estes PCE’s são vivenciados à luz de três atitudes básicas de vida: cultivar a assiduidade em se abrir à vontade de Deus, desenvolver a aptidão para a verdade e aumentar a capacidade para o encontro e a comunhão.

PRIORIDADES

1) Vida de Equipe

As equipes se constituem em comunidades de fé, praticando o auxílio mútuo e buscando a constante conversão de seus membros.

O casal equipista deve professar com coerência sua fé, vivenciar seus PCE’s em conjugalidade e ser sinal do amor transformador de Deus.

Os equipistas rezam diariamente o Magnificat pelas intenções mundiais do Movimento e hoje, em razão da presença das ENS nos cinco Continentes, durante as 24 horas do dia haverá sempre alguém orando pelas Equipes de Nossa Senhora.

Participam de uma segunda missa semanal por suas equipes e das atividades patrocinadas pelo Movimento.

2) Formação

As ENS são uma escola de formação permanente para os casais praticarem o discernimento humano e cristão, na busca da coerência entre fé e vida

As Sessões de Formação, principal instrumento para o desenvolvimento de quadros do Movimento, são ministradas em três níveis, abordando no primeiro a essência em ser cristão – a doutrina cristã -, no segundo a essência em ser católico – formação e missão do leigo, da família e da Igreja – e no terceiro, a essência em ser equipista – formação e missão do casal equipista.

Reuniões de Equipe, Retiros, Noites de Oração, Dias de Estudo, Encontros Anuais de Casais Responsáveis de Equipe, Reuniões Inter-equipes, Encontros Regionais, Provinciais, Nacionais e Internacionais, dentre outros, também constituem importantes instrumentos de formação.

3) Comunicação

É um dos pontos fortes das Equipes de Nossa Senhora.

O principal veículo de comunicação é a “Carta Mensal”, editada pela Super-Região e que se constitui o elo entre as equipes e a coordenação nacional do Movimento. A Carta Mensal, de leitura obrigatória e enviada gratuitamente a cada casal e Conselheiro Espiritual, estabelece, através de sua comunicação, a dupla ligação vertical (equipe/equipista-Movimento) e horizontal (entre as equipes ou equipistas) com vistas à unidade do Movimento.

As Equipes de Nossa Senhora contam com a figura do Casal Ligação, criada para assegurar o fluxo de informações no âmbito do Movimento e, concomitantemente, viabilizar a união e aglutinação das equipes, garantindo a transmissão da vida nos sentidos vertical e horizontal.

4) Presença no Mundo

Mesmo não sendo um movimento de ação, as ENS se caracterizam por ser um movimento essencialmente ativo pela ação de seus casais, em estreita sintonia com a doutrina social da Igreja.

Esta atividade proporciona ao Movimento ir ao encontro da realidade do Mundo por meio do engajamento de equipistas nos diferentes serviços e pastorais, além da realização de gestos concretos, em equipe ou individualmente, como visitas ou acolhimento a doentes, orfanatos, asilos, presidiários e suas famílias, população de rua, etc.

5) Pastoral Familiar

As Equipes de Nossa Senhora têm efetiva atuação na Pastoral Familiar. Integra os colegiados nacional e a nível de Diocese, além de incentivar a criação de pastorais em Paróquias onde inexiste este serviço.

Participa ativamente dos Encontros Nacionais da Pastoral Familiar, de seminários e outros eventos, oferecendo oportunos subsídios, pois, segundo Sua Santidade João Paulo II, “a Política Familiar deve constituir-se o ponto central e motor de todas as políticas sociais”.

Desenvolve programas de acolhimento a casais em segunda união, com os devidos cuidados e exigidas adaptações.

6) Experiência Comunitária

Trata-se essencialmente de eficiente serviço de evangelização oferecido pelas Equipes de Nossa Senhora, aproveitando a vivência e o conhecimento acumulado por seus casais quanto à vida conjugal, familiar e comunitária em presença de Cristo.

As Experiências Comunitárias podem representar, igualmente, eficiente instrumento de expansão das ENS, na medida em que despertam os casais para o conhecimento santificante pessoal, conjugal, familiar e social, afim de que, compreendendo esta realidade, possam assumi-la e, se for do desejo, ingressarem posteriormente no Movimento.

REUNIÃO MENSAL

Os três aspectos da mística do Movimento – presença de Cristo, auxílio mútuo e testemunho do amor de Cristo – são vividos de maneira extraordinariamente intensa nas reuniões mensais, revestidas de um caráter fundamental para o Movimento. Mesmo prestando serviços nas mais altas funções dos quadros das ENS, os casais não se desligam jamais de sua equipe de base.

As reuniões são verdadeiras fontes de abastecimento espiritual para os casais e para o próprio Conselheiro da equipe.

A reunião mensal, autêntica celebração, compreende 5 momentos marcantes:

Oração – leitura da Palavra, meditação e oração.

Partilha – confissão das vitórias e fracassos na vivência dos PCE’s.

Co-participação – colocação de fatos importantes da vida conjugal, familiar,comunitária e profissional, no período decorrido entre uma reunião e outra.

Estudo – troca de idéias em torno de tema específico posto em discussão pelo Movimento.

Refeição – singela refeição comunitária.

ORGANIZAÇÃO

As Equipes de Nossa Senhora são um Movimento extra paroquial e para viabilizar sua unidade e crescimento harmônico, são coordenadas mundialmente pela Equipe Responsável Internacional – ERI, sediada em Paris (França), sendo o Mundo dividido em Super Regiões ou em Regiões isoladas. As deliberações, em todos os níveis, são baixadas em colegiado e as funções de responsabilidade apresentam caráter de temporalidade e gratuidade, não existindo cargos a serem preenchidos.

O Brasil se constitui em uma Super Região, sub-dividida em sete Províncias, cobrindo todo Território Nacional; as Províncias, por sua vez, constituem-se em Regiões e estas em Setores. O Secretariado da Super Região Brasil localiza-se na Capital de São Paulo.

As Províncias no Brasil têm o seguinte alcance:Norte: Acre, Amazonas, Roraima, Amapá, Pará, Tocantins e Rondônia; Nordeste: Maranhão, Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Alagoas, Sergipe e Bahia; Leste: Rio de Janeiro, Minas Gerais e Espírito Santo; Centro- Oeste: Distrito Federal, Goiás, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul; Sul I: São Paulo Capital, Leste e Sul; Sul II: São Paulo Norte, Nordeste e Centro;e Sul III: Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

Na Cidade do Rio de Janeiro estão sediadas 3 regiões (Região Rio I, Região Rio III e Região Rio V), que compreendem 14 setores, 131 equipes, 793 casais equipistas e 97 conselheiros espirituais. Jacarepaguá compreende o Setor B da Região Rio V.

O interior do Estado do Rio de Janeiro conta com 2 regiões (Região Rio II – região serrana – e Região Rio IV – Niterói e São Gonçalo), 8 setores, 95 equipes, 630 casais equipistas e 59 conselheiros espirituais.

RECURSOS

O Movimento se mantém pela contribuição dos equipistas, correspondente a um dia da renda mensal do casal, paga em 10 parcelas durante os meses de fevereiro a novembro de cada ano. A contribuição do mês equivale, na prática, a dividir a renda do casal por 300.

As arrecadações dos meses de fevereiro e julho são encaminhadas para os respectivos Setores e dos oito meses restantes para o Secretariado Nacional.

LEIGOS DE SÃO PAULO

LEIGOS DE SÃO PAULO

Quando no sec. XVI se firmou a Reforma Católica, Deus inspirou os Santos para que trabalhassem para a glória de Seu reino. Entre eles, Santo Antonio Maria, médico da cidade de Cremona, na Itália. Ele, querendo continuar ao longo do tempo a sua obra de reformador da vida cristã, pensou em agregar a si outras pessoas. Assim fundou, em 1533, os Clérigos de São Paulo e em 1535 as irmãs Angélicas de Deus, amando e servido os irmãos.

Ao lado destes, ele queria que existisse grupos de Leigos, casados ou solteiros, que assumissem, ao mesmo tempo, o trabalho de sua própria santificação e o trabalho de santificação do próximo, indicando a todos eles o Apóstolo Paulo, como modelo de total dedicação a Cristo e de zelo pela salvação e progresso espiritual dos irmãos. Santo Antonio Maria Zaccaria não acreditava possível a reforma da vida cristã, se dependesse somente do trabalho e do zelo de religiosos. Por isso queria formar e motivar para o empenho pastoral também alguns leigos. Ao longo dos séculos esta intuição apostólica dele ficou esquecida.

Recentemente, na Congregação dos Clérigos Regulares de São Paulo (que vem a ser os Barnabitas), retomou-se a idéia e começamos a fundar grupos de leigos em nossas comunidades, procurando formá-los no mesmo espírito que estava presente em São Paulo e em Santo Antonio Maria.

Aqui na nossa Paróquia, por obra do Pe. Sebastião, começou a surgir um grupo, que está preocupado em aprofundar o conhecimento deste espírito paulino, que deve iluminar a vida pessoal, familiar e profissional e ao mesmo tempo a vida pastoral, na comunidade.

O grupo dos Leigos de São Paulo está aberto para todos os que quiserem participar. As reuniões acontecem aqui na Paróquia, todas primeiras terças-feiras e terceiras sextas-feiras do mês às 20:30h.

LIGA CATÓLICA

Histórico

É uma associação religiosa dirigida por leigos engajados na Igreja Católica Apostólica Romana. Foi fundada em 27 de maio de 1844, na Bélgica, pelo capitão do exército Huberto Henrique Belletable, sob orientação dos Padres Redentoristas, que logo se empenharam em difundi-la por toda a Europa.

A Liga Católica foi trazida para o Brasil em 1902, pelos Missionários Redentoristas holandeses, que, na cidade de Juiz de Fora-MG, fundaram a primeira Liga, existente até hoje.

No Brasil, o movimento ligüista se espalhou pelas principais cidades e tornou-se um importante instrumento de evangelização das pessoas e das famílias e continua atuante até os dias de hoje. É o homem orando e trabalhando na construção do Reino de Deus.

A primeira “Liga Católica Jesus, Maria, José” foi fundada na Igreja de Santo Afonso, na cidade do Rio de Janeiro, em março de 1908, com 125 homens.

Em 1919 contava com 1.239, só na igreja. Em 1924, no então Distrito Federal (Rio), havia 16 Ligas. Depois, as Ligas difundiram-se por vários Estados: Minas Gerais (22 Ligas), São Paulo (6 Ligas) e Espírito Santo (1 Liga) e ainda em Pernambuco (1 Liga) e Pará (2 Ligas).

 

Organização das Ligas Católicas

As Ligas Católicas são autônomas, isto é, são organizadas e dirigidas por leigos, pessoas da comunidade, que se reúnem na paróquia em que são desenvolvidas.

As diversas Ligas de uma cidade ou região formam uma Federação Arquidiocesana, sob a orientação espiritual do Bispo.

No Brasil, as Federações e Ligas são dirigidas pela Confederação Nacional das Ligas Católicas, com sede na Casa do Ligüista, em Campos-RJ, sob a coordenação e orientação dos Padres Redentoristas.

 

Liga Católica no Loreto

Em 21 de outubro de 2012 a Liga Católica do Loreto completou 88 anos.

Leia matéria em: http://www.loreto.org.br/jornal2012/dez2012_pag15.pdf

 

MECE

M E C E (MINISTROS EXTRAORDINÁRIOS DA COMUNHÃO EUCARÍSTICA)

Os Ministros Extraordinários da Comunhão Eucarística auxiliam os sacerdotes na distribuição da Santa Comunhão.

Esse ministério pode ser exercido nas Santas Missas e principalmente no atendimento aos doentes.

TERÇO DOS HOMENS

TERÇO DOS HOMENS

É uma campanha em prol das famílias.

“O homem com o rosário nas mãos, leva consigo a chave dos problemas que o afliguem e tem sempre o olhar da Mãe Maria sobre sua vida!”

Na nossa Paróquia a  Liga Católica Coordena o Terço dos Homens, e  fez sua Implantação no dia 30/outubro/2012. Contamos com a presença de diversos homens da comunidade, membros de pastorais e coordenadores do Terço dos Homens de outras paróquias do Rio de Janeiro.

O Terço é rezado todas as Terças-Feiras às 20:30 no Santuário.

Participem e tragam os amigos.

Nossa Senhora os aguarda!!!

Coordenador: Luiz Augusto Bacellar

E-mail: tercodoshomens@loreto.org.br

VICENTINOS

Sociedade de São Vicente de Paulo 

A missão da Sociedade de São Vicente de Paulo  é aliviar a miséria espiritual e material dos que vivem em situação de risco social, colocando em prática os ensinamentos de Cristo e da Igreja Católica.  A SSVP está presente em 143 países e possuem mais de 700 mil membros espalhados pelo mundo.

O Brasil é o maior país vicentino do planeta; aqui a instituição nasceu em 1872, com a Conferência São José, no Rio de Janeiro. E conta com cerca de 250 mil voluntários, organizados em 20 mil Conferências e 33 Conselhos Metropolitanos.

As Conferências Vicentinas são grupos formados por homens e mulheres – e também por Crianças e Adolescentes. Quem faz adesão a SSVP é chamado de Vicentino. (Fonte: www.ssvpbrasil.org.br).

R.C.C. - GRUPO DE ORAÇÃO

R.C.C.

– A Renovação Carismática Católica do Rio de Janeiro(RCC) é coordenada pelo Conselho Arquidiocesano da Renovação Carismática Católica(CARC), órgão consultivo do governo da Arquidiocese (Estatuto art.1º) e desenvolve suas atividades dentro da estrutura vicarial através das Coordenações Vicariais, em plena obediência aos legítimos representantes da Igreja de Cristo.

– Enquanto Movimento, o Grupo de Oração estará ligado à Paróquia pelos laços da obediência e do espírito de serviço para o crescimento do Reino de Cristo.

– A principal função do Grupo de oração é: renovar a graça de Pentecostes no exercício dos dons carismáticos (“Mas um é o mesmo Espírito, que distribui todos estes dons a cada um como lhe apraz”- 1Cor 12,11); promover o conhecimento e vivência da Palavra, como conversão pessoal profunda e incentivar a prática da promoção humana e ao trabalho pastoral.(“a fé sem obras é morta”- Tg 2,17).

 

Grupo de Oração Jesus Ressurgiu

Fundado em Julho de 1979

Reunião: segunda-feira das 14:30h as 16:30h

 

Grupo de Oração Nossa Senhora de Loreto

Fundado em novembro de 1975

Reunião: segunda-feira das 20:30h as 22:00h

btn_cepar_468x150  Cepar
  • Alfabetização, cidadania, comunicação, saúde, coral, ações sociais e eventos, você encontra aqui!
Saiba mais

Apostolado da Oração, Congregação Mariana, Grupos de Oração, Liga Católica, Movimento Mãe Rainha e Pastoral Vocacional...

Saiba mais

Você, jovem ou adolescente, que quer se aproximar mais de Deus, confira as opções de grupos jovens que nossa paróquia oferece.

Saiba mais

Aqui você encontrará informações sobre CF, Fé e Dons, Círculos Bíblicos, Cursos da Palavra, Escola de Evangelização Santo André e Mater Eclesiae e Luz e Vida.

Saiba mais

Informações sobre Batismo, Crisma ou Confirmação, Eucaristia, Confissão ou Penitência, Extrema Unção, Ordem e Matrimônio ministrados em nossa paróquia.

Saiba mais

localVeja o mapar de como chegar a Paróquia e Santuário Nossa Senhora de Loreto:

Ladeira da Freguesia, 375 -Freguesia - Jacarepaguá – RJ

CEP 22760-090

Saiba mais  

Entre em contato conosco através dos emails da Administração, Ação Social Loreto, Pe. Barnabitas, Igreja N. Senhora de Loreto, Jornal O Mensageiro, Secretaria, Pascom e Pastoral da Juventude.

Saiba mais

Confira o horário de atendimento de nossa secretaria, missas, confissões, eucaristia e batismo.

Saiba mais
CAPELAS

capelaNeste espaço, você encontrará os endereços das Capelas assistidas pela nossa paróquia e seus respectivos horários das Missas:

    • » NOSSA SENHORA DA PENNA
    • » NOSSA SENHORA DO AMPARO
    • » NOSSA SENHORA DE BELÉM
    • » SÃO JOSÉ (CARMELO)
    • » SANTO ANTONIO
Saiba mais
HISTÓRICO DA PARÓQUIA

quem_somosPrezado leitor, querido paroquiano.

Sim. Agora podemos dizer que Nossa Senhora de Loreto é Patrona do nosso povo de Jacarepaguá há mais de 350 anos.

Quando o P. Manoel de Araujo veio de Lisboa, trouxe esta imagem e, tendo conseguido alguns favores por intercessão da Virgem, lhe dedicou um santuário. Conta o Frei Agostinho de Santa Maria no seu livro “Santuário Mariano e história das imagens milagrosas de Nossa Senhora” de 1723:

Saiba mais
HISTÓRICO DO SANTUÁRIO

hist_santuarioO Brasil, em colonização pelos portugueses, saía do Ciclo do Pau Brasil e ingressava no do Açúcar. Desenvolvia-se em terras litorâneas a construção de engenhos e fazia-se presente atividade febril nos meses de moagem da cana e fabrico de açúcar.

As terras de Jacarepaguá eram consideradas extremamente férteis e a região onde seria construída a Igreja do Loreto era denominada Planície dos Onze Engenhos...

Saiba mais
CEPAR

CeparO CEPAR (Centro de Estudos paroquial Nossa senhora de Loreto), inaugurado em Maio de 2000, uma área construída de cerca de 3000 m2, um complexo com 15 salas de aula cada uma com 30 lugares, um plenário para cerca de 120 participantes, um salão para festas e eventos abrigando 50 mesas redondas de 6 lugares, sem prejuízo da pista de dança e a varanda que circunda o salão pode abrigar 20 mesas redondas de 6 lugares,portanto, cerca de 420 pessoas podem desfrutar dos eventos no salão...

Saiba mais
HISTÓRICO DE NOSSA SENHORA DE LORETO

Historico N. Sra. LoretoNossa Senhora de Loreto

A ditosa casa de Nazaré, onde, após a saudação do Anjo à futura Mãe de Deus, o Verbo se fez Carne, foi transportada, segundo a tradição, para a cidade de Loreto, na Itália.

A Santa Casa de Loreto foi o primeiro santuário de porte internacional dedicado à Santíssima Virgem tendo sido, durante muitos séculos, o verdadeiro centro Mariano da Cristandade....

Saiba mais