Fé e Política – jun2017

 

“A atual crise política e o Financiamento de campanhas eleitorais”
 

               O que mais me entristece na atual crise política brasileira não é o fato de o partido A, B ou C aparecer ou não nas delações, mas a absoluta ausência de uma leitura honesta dos que narram os fatos acerca da verdadeira origem do grande problema que assola o nosso país há muitos anos e que a própria CNBB vem denunciando em diversos documentos e nas próprias Campanhas da Fraternidade: o financiamento privado de campanhas. O setor empresarial brasileiro – ou parte significativa dele – encontrou nesse instrumento uma forma de interferir na política defendendo os seus interesses. Ou será que as pessoas acreditavam mesmo que as empresas doavam 100, 200 ou 500 mil reais para um político por que queriam um país melhor? E sabe o que é mais assustador? Sempre foi assim e, o que é pior, esse sistema é absolutamente legal. Basta acessar o site do TSE e ver as declarações de campanha de todas as eleições no Brasil ao longo dos últimos 30 anos. Está tudo lá. Não vale dizer que ninguém nunca falou sobre essa questão. Eu, quando fui Deputado Estadual, denunciei isso diversas vezes. Fui apontado, inclusive pela imprensa, como o Deputado que mais falou sobre os problemas do financiamento privado de campanhas e a necessidade de uma reforma política que se debruce sobre essa questão. Cheguei a dizer em uma entrevista ao Jornal do Brasil em 2012 que “o financiamento privado de campanhas é pai e mãe da corrupção no Brasil”. Pus o dedo na ferida nessa entrevista – que está na página do meu Facebook – ao abrir as entranhas desse sistema. Alertei, inclusive, que não falava apenas da corrupção do desvio do erário, mas do desvio de ideais. A própria Reforma da Previdência assim como a Trabalhista, que visam retirar direitos e garantias fundamentais da classe trabalhadora brasileira e que contam com a rejeição da maioria da população, correm o risco de ser aprovadas porque interessam a quem financia campanhas. Um excelente exemplo que eu tive oportunidade de expor em nossa própria comunidade em uma comunitária realizada em 2015 são os planos privados de saúde. Eles financiaram 131 políticos com R$ 55 milhões de reais nas eleições de 2014. Talvez isso explique como é difícil impor uma regulação mais rígida aos planos de saúde ou até mesmo as dificuldades em se melhorar a qualidade do atendimento do SUS. Afinal, será que algum Deputado ou Senador votaria contra o óbvio interesse de quem financia a sua campanha?

Não quero dizer aqui que políticos e empresários que cometeram corrupção não devem ser punidos. Pelo contrário. Quem cometeu irregularidades que seja investigado, julgado e até mesmo condenado, obviamente com as indispensáveis provas e dentro do devido processo legal para evitar o uso político dos processos investigativos. Entretanto, quero destacar que ficar punindo empresas e políticos sem mexer no cerne do problema não resolverá essa grave questão. Em outras palavras, precisamos mudar a forma como se faz política no Brasil, sobretudo o seu financiamento. Aquele panfletinho com as propostas do candidato não é de graça. O site ou a página do Facebook com as propostas e ideias também custam dinheiro. Se queremos um processo em que as ideias e propostas estejam acima do peso do dinheiro em uma campanha eleitoral, precisamos criar outra forma de financiar campanhas. Como é na Grécia, na França ou na Inglaterra? Por que não experimentarmos uma eleição sem financiamento privado, ou seja, com financiamento público como defendeu recentemente o próprio Papa Francisco?

A democracia é um valor e investir nela é investir no nosso futuro. A ojeriza e o ódio geral à política só pioram ainda mais o processo e consequentemente a vida das pessoas, pois votar nulo ou se abster não anula eleições e só ajuda aos corruptos que vão precisar de menos votos para se elegerem. A política, como já disse o Papa Pio XI e tem sido repetida pela CNBB e por quase todos os Papas desse século, “é a forma mais perfeita da caridade”. E cabe a nós, cidadãos, o compromisso de que ela se transforme em um instrumento efetivo na construção do Reino de Deus aqui e agora.

 

(*) Robson Leite é professor, escritor, membro da nossa paróquia, Ex-Superintendente Regional do Ministério do Trabalho e Emprego no RJ e foi Deputado Estadual de 2011 a Janeiro de 2014.

Site: www.robsonleite.com.br

Página do Facebook: www.facebook.com.br/robsonleiteprofessor

btn_cepar_468x150  Cepar
  • Alfabetização, cidadania, comunicação, saúde, coral, ações sociais e eventos, você encontra aqui!
Saiba mais

Apostolado da Oração, Congregação Mariana, Grupos de Oração, Liga Católica, Movimento Mãe Rainha e Pastoral Vocacional...

Saiba mais

Você, jovem ou adolescente, que quer se aproximar mais de Deus, confira as opções de grupos jovens que nossa paróquia oferece.

Saiba mais

Aqui você encontrará informações sobre CF, Fé e Dons, Círculos Bíblicos, Cursos da Palavra, Escola de Evangelização Santo André e Mater Eclesiae e Luz e Vida.

Saiba mais

Informações sobre Batismo, Crisma ou Confirmação, Eucaristia, Confissão ou Penitência, Extrema Unção, Ordem e Matrimônio ministrados em nossa paróquia.

Saiba mais

localVeja o mapar de como chegar a Paróquia e Santuário Nossa Senhora de Loreto:

Ladeira da Freguesia, 375 -Freguesia - Jacarepaguá – RJ

CEP 22760-090

Saiba mais  

Entre em contato conosco através dos emails da Administração, Ação Social Loreto, Pe. Barnabitas, Igreja N. Senhora de Loreto, Jornal O Mensageiro, Secretaria, Pascom e Pastoral da Juventude.

Saiba mais

Confira o horário de atendimento de nossa secretaria, missas, confissões, eucaristia e batismo.

Saiba mais
CAPELAS

capelaNeste espaço, você encontrará os endereços das Capelas assistidas pela nossa paróquia e seus respectivos horários das Missas:

    • » NOSSA SENHORA DA PENNA
    • » NOSSA SENHORA DO AMPARO
    • » NOSSA SENHORA DE BELÉM
    • » SÃO JOSÉ (CARMELO)
    • » SANTO ANTONIO
Saiba mais
HISTÓRICO DA PARÓQUIA

quem_somosPrezado leitor, querido paroquiano.

Sim. Agora podemos dizer que Nossa Senhora de Loreto é Patrona do nosso povo de Jacarepaguá há mais de 350 anos.

Quando o P. Manoel de Araujo veio de Lisboa, trouxe esta imagem e, tendo conseguido alguns favores por intercessão da Virgem, lhe dedicou um santuário. Conta o Frei Agostinho de Santa Maria no seu livro “Santuário Mariano e história das imagens milagrosas de Nossa Senhora” de 1723:

Saiba mais
HISTÓRICO DO SANTUÁRIO

hist_santuarioO Brasil, em colonização pelos portugueses, saía do Ciclo do Pau Brasil e ingressava no do Açúcar. Desenvolvia-se em terras litorâneas a construção de engenhos e fazia-se presente atividade febril nos meses de moagem da cana e fabrico de açúcar.

As terras de Jacarepaguá eram consideradas extremamente férteis e a região onde seria construída a Igreja do Loreto era denominada Planície dos Onze Engenhos...

Saiba mais
CEPAR

CeparO CEPAR (Centro de Estudos paroquial Nossa senhora de Loreto), inaugurado em Maio de 2000, uma área construída de cerca de 3000 m2, um complexo com 15 salas de aula cada uma com 30 lugares, um plenário para cerca de 120 participantes, um salão para festas e eventos abrigando 50 mesas redondas de 6 lugares, sem prejuízo da pista de dança e a varanda que circunda o salão pode abrigar 20 mesas redondas de 6 lugares,portanto, cerca de 420 pessoas podem desfrutar dos eventos no salão...

Saiba mais
HISTÓRICO DE NOSSA SENHORA DE LORETO

Historico N. Sra. LoretoNossa Senhora de Loreto

A ditosa casa de Nazaré, onde, após a saudação do Anjo à futura Mãe de Deus, o Verbo se fez Carne, foi transportada, segundo a tradição, para a cidade de Loreto, na Itália.

A Santa Casa de Loreto foi o primeiro santuário de porte internacional dedicado à Santíssima Virgem tendo sido, durante muitos séculos, o verdadeiro centro Mariano da Cristandade....

Saiba mais
Facebook
Twitter
YouTube
INSTAGRAM