Fé e Política – “Igreja e sociedade”

* Robson Leite

“Quando e por que a Igreja passou a se preocupar com a política?”. Essa indagação, muito comum nos corredores das nossas paróquias, normalmente é seguida de outra: “Qual o motivo da Igreja só ter se preocupado com a questão política nos dias de hoje?”

A Igreja sempre esteve preocupada com a política e com a sociedade. O amadurecimento e aprofundamento deste tema no seio das atividades pastorais se deram com o Concílio Vaticano II, mais precisamente aqui no Brasil com as reflexões conduzidas pela CNBB nas Campanhas da Fraternidade durante a Quaresma. Para entender um pouco melhor esse processo, vamos fazer um rápido histórico do papel desempenhado pela CNBB com os temas das campanhas da Fraternidade ao longo dos anos.

Logo depois do Concílio, a Igreja iniciou um profundo processo de análise e reflexões sobre algumas questões internas ligadas a sua renovação. Isso fica claramente demonstrado nas campanhas que vão de 1964 a 1972. Temas como: “Igreja em renovação”, “Paróquia em Renovação”, “Participação” e “Serviço e vocação” sinalizam o início de um novo tempo, onde a participação do leigo dentro da Igreja passa a ser muito mais ativa do que tinha sido até então.

Depois dessa análise, a Igreja no Brasil passa a questionar e refletir o seu papel na sociedade. E isso fica claro nos temas que surgiram após 1972. As questões do negro, da saúde, dos sem-teto, do jovem, do desempregado e do excluído de uma maneira geral, refletem essa preocupação com o mundo moderno. E isso tudo acontece sob a influência da necessidade da Igreja estar presente nas questões da sociedade atual, sobre tudo dos mais pobres, conforme a orientação do Concílio Vaticano II devidamente inspiradas no próprio Evangelho.

As campanhas, sempre escolhidas com 3 anos de antecedência pela CNBB, conduziam as reflexões para a busca de alternativas e soluções para estes problemas. Em 1995, logo depois das campanhas anteriores onde os excluídos são analisados um a um com suas peculiaridades (os que passam fome, os sem-terra, os negros, os desempregados, os jovens, os sem-teto e etc.), a CNBB lança um tema específico sobre a exclusão de uma maneira geral, com o claro objetivo de convidar o laicado a aprofundar as questões que conduzem a sociedade a gerar essa massa de excluídos existente hoje. O tema “A Fraternidade e os Excluídos” surge como uma espécie de conclusão, e ao mesmo tempo aprofundamento, aos abordados nos anos anteriores. Fica assim, mais do que evidente, que o Cristão do mundo moderno não pode ficar passivo assistindo a esse crescimento desenfreado da massa de excluídos sem fazer nada para mudar.

Em 1996, em pleno ano eleitoral quase como que mostrando a principal via de transformação social e complementando as campanhas anteriores, a CNBB lança o tema “Fraternidade e Política”, com o lema: “Justiça e Paz se abraçarão”. A igreja mostra assim, a necessidade do Leigo não somente se preocupar com a Política, mas de participar dela com o objetivo de promover a Justiça como base de uma sociedade fecunda na Paz. A Conclusão de que não existe Paz sem Justiça também soa forte em todas as paróquias com a reflexão desta campanha. O Cristão não pode, sob a pena de impedir que o Reino de Deus se instale ao nosso redor, fechar os olhos para a Política ou, pior ainda, utilizá-la para o seu benefício pessoal e individual. Essas atitudes só ajudam aos “picaretas” e aproveitadores que surgem no período eleitoral.

Além disso, a Igreja mostra e promove a criação de grupos de reflexão alinhados as exigências éticas e pastorais contidas no Concílio Vaticano II.

A partir de então, todos os temas das campanhas da fraternidade sempre abordam a questão política como instrumento de transformação da realidade refletida e questionada ao longo da quaresma.

Sem sombra de dúvidas, o papel do Leigo, frente aos questionamentos atuais, jamais será de indiferença. A indiferença e a omissão são os grandes pecados que a CNBB e a Igreja da América Latina vêm combatendo. E nós, Cristãos engajados com a proposta apaixonante do Evangelho, jamais poderemos cometer a covardia de virar as costas para esse tema tão importante: “O papel político do Cristão na nossa sociedade”.

 

(*) Robson Leite é professor, escritor, membro da nossa paróquia, funcionário concursado da Petrobras e foi Deputado Estadual de 2011 a Janeiro de 2014.

Site: www.robsonleite.com.br

Página do Facebook: www.facebook.com.br/robsonleiteprofessor

btn_cepar_468x150  Cepar
  • Alfabetização, cidadania, comunicação, saúde, coral, ações sociais e eventos, você encontra aqui!
Saiba mais

Apostolado da Oração, Congregação Mariana, Grupos de Oração, Liga Católica, Movimento Mãe Rainha e Pastoral Vocacional...

Saiba mais

Você, jovem ou adolescente, que quer se aproximar mais de Deus, confira as opções de grupos jovens que nossa paróquia oferece.

Saiba mais

Aqui você encontrará informações sobre CF, Fé e Dons, Círculos Bíblicos, Cursos da Palavra, Escola de Evangelização Santo André e Mater Eclesiae e Luz e Vida.

Saiba mais

Informações sobre Batismo, Crisma ou Confirmação, Eucaristia, Confissão ou Penitência, Extrema Unção, Ordem e Matrimônio ministrados em nossa paróquia.

Saiba mais

localVeja o mapar de como chegar a Paróquia e Santuário Nossa Senhora de Loreto:

Ladeira da Freguesia, 375 -Freguesia - Jacarepaguá – RJ

CEP 22760-090

Saiba mais  

Entre em contato conosco através dos emails da Administração, Ação Social Loreto, Pe. Barnabitas, Igreja N. Senhora de Loreto, Jornal O Mensageiro, Secretaria, Pascom e Pastoral da Juventude.

Saiba mais

Confira o horário de atendimento de nossa secretaria, missas, confissões, eucaristia e batismo.

Saiba mais
CAPELAS

capelaNeste espaço, você encontrará os endereços das Capelas assistidas pela nossa paróquia e seus respectivos horários das Missas:

    • » NOSSA SENHORA DA PENNA
    • » NOSSA SENHORA DO AMPARO
    • » NOSSA SENHORA DE BELÉM
    • » SÃO JOSÉ (CARMELO)
    • » SANTO ANTONIO
Saiba mais
HISTÓRICO DA PARÓQUIA

quem_somosPrezado leitor, querido paroquiano.

Sim. Agora podemos dizer que Nossa Senhora de Loreto é Patrona do nosso povo de Jacarepaguá há mais de 350 anos.

Quando o P. Manoel de Araujo veio de Lisboa, trouxe esta imagem e, tendo conseguido alguns favores por intercessão da Virgem, lhe dedicou um santuário. Conta o Frei Agostinho de Santa Maria no seu livro “Santuário Mariano e história das imagens milagrosas de Nossa Senhora” de 1723:

Saiba mais
HISTÓRICO DO SANTUÁRIO

hist_santuarioO Brasil, em colonização pelos portugueses, saía do Ciclo do Pau Brasil e ingressava no do Açúcar. Desenvolvia-se em terras litorâneas a construção de engenhos e fazia-se presente atividade febril nos meses de moagem da cana e fabrico de açúcar.

As terras de Jacarepaguá eram consideradas extremamente férteis e a região onde seria construída a Igreja do Loreto era denominada Planície dos Onze Engenhos...

Saiba mais
CEPAR

CeparO CEPAR (Centro de Estudos paroquial Nossa senhora de Loreto), inaugurado em Maio de 2000, uma área construída de cerca de 3000 m2, um complexo com 15 salas de aula cada uma com 30 lugares, um plenário para cerca de 120 participantes, um salão para festas e eventos abrigando 50 mesas redondas de 6 lugares, sem prejuízo da pista de dança e a varanda que circunda o salão pode abrigar 20 mesas redondas de 6 lugares,portanto, cerca de 420 pessoas podem desfrutar dos eventos no salão...

Saiba mais
HISTÓRICO DE NOSSA SENHORA DE LORETO

Historico N. Sra. LoretoNossa Senhora de Loreto

A ditosa casa de Nazaré, onde, após a saudação do Anjo à futura Mãe de Deus, o Verbo se fez Carne, foi transportada, segundo a tradição, para a cidade de Loreto, na Itália.

A Santa Casa de Loreto foi o primeiro santuário de porte internacional dedicado à Santíssima Virgem tendo sido, durante muitos séculos, o verdadeiro centro Mariano da Cristandade....

Saiba mais
Facebook
Twitter
YouTube
INSTAGRAM