Fé e Política – Abril 2019

 

“Xenofobia e etnocentrismo: Os obstáculos à construção de um novo mundo possível”

 

Xenofobia é uma aversão apresentada diante do diferente. Um medo excessivo e descontrolado do desconhecido. É um termo também utilizado para se referir a qualquer forma de preconceito. Quando o preconceito ou a discriminação surge como consequência da xenofobia temos aí a possibilidade real de uma patologia que precisa ser tratada. O problema – onde quero chegar nessa reflexão – é o caso do preconceito e da discriminação gerados tanto pelo medo natural do desconhecido como pela simples crença de que a nossa cultura ou a nossa “verdade” é melhor do que a do outro. Algo que, em pleno século XXI, motiva ódios, guerras, destruições e mortes.

Quando se rotula pejorativamente um grupo há uma clara demonstração de uma crença equivocada de que o “nosso” grupo é “superior” ao outro quando, na verdade, eles são apenas diferentes – caracterizando-se, nesse caso, o que a antropologia convencionou chamar de etnocentrismo. Essa é a grande dificuldade para se avançar na concepção de humanidade que, ao longo dos anos, proporcionou mortes, explorações e opressões. Vejamos, por exemplo, o que os Europeus fizeram ao chegar à América há 5 séculos atrás: encontraram uma cultura diferente e, imediatamente, a rotularam de “atrasada” e “ultrapassada”. Em função disso, oprimiram-na e dominaram-na. Não muito diferente disso vemos as grandes potências mundiais construírem guerras e mortes motivadas por interesses financeiros, mas utilizando-se – para disfarçar os interesses econômicos – de uma crença errada de que a nossa cultura é superior à do outro. De que a nossa verdade e a nossa cultura estão acima das verdades e culturas de outros povos. Um erro triste e grave, pois além de justificar junto à opinião pública do ocidente as guerras e as dominações, também gera um enorme preconceito mundial às outras culturas. Quantos árabes, chineses, muçulmanos, negros, latino-americanos e outros grupos étnicos são claramente discriminados em aeroportos e locais públicos no ocidente e principalmente nos EUA? Essa estratégia é tão sutil que a civilização ocidental ignora situações incríveis, como, por exemplo, o fato de que o berço da filosofia não é a Grécia, mas a China; que muito antes de Gutemberg “inventar” a imprensa a China já tinha imprimido jornais e boletins; que a pólvora foi inventada na Ásia e não na Europa; e que o Egito – com todas as suas belezas e histórias do berço da civilização – fica na África. Afinal de contas há um horroroso senso comum que as grandes belezas da história da humanidade e as invenções da ciência moderna vieram apenas e sobretudo da Europa ou dos EUA.

Em nosso país também há casos de situações que retratam bem esse tipo de conduta. A guerra do Paraguai é um exemplo contundente disso. Por interesses puramente econômicos, a Inglaterra incitou o nosso país a entrar em guerra com esse país vizinho nosso onde, infelizmente, dizimamos boa parte da população paraguaia causando danos até hoje em seu desenvolvimento como nação. Para piorar ainda mais, um dos tristes frutos dessa guerra é um forte preconceito cultural nosso para com esse país vizinho aonde chegamos ao absurdo de rotular produtos de qualidade inferior como “paraguaios”. Também temos os tristes exemplos de disputas regionais no Brasil onde se buscam rótulos e apelidos para pessoas que tenham origem em alguns estados brasileiros.

Só avançaremos como humanidade quando nos preocuparmos efetivamente com o direito às diversidades culturais, religiosas ou étnicas dos nossos povos dentro e fora das fronteiras dos países. Quando buscarmos o diálogo e a compreensão das motivações e verdades dos diferentes povos e culturas. Quando, acima das diferenças, houver o desejo de construir, de maneira efetiva, uma verdadeira mentalidade de que todas e todos possuem o importante e fundamental direito à felicidade, à vida e à dignidade plena.

Esse é o caminho para, acima de tudo, buscarmos o bem comum e a cidadania plena de todas e todas. Em outras palavras, o caminho para a construção do Reino de Deus aqui e agora!

 

(*) Robson Leite é professor, escritor, membro da nossa paróquia, Ex-Superintendente Regional do Ministério do Trabalho e Emprego no RJ e foi Deputado Estadual de 2011 a Janeiro de 2014.

Site: www.robsonleite.com.br

Página do Facebook: www.facebook.com.br/robsonleiteprofessor

btn_cepar_468x150  Cepar
  • Alfabetização, cidadania, comunicação, saúde, coral, ações sociais e eventos, você encontra aqui!
Saiba mais

Apostolado da Oração, Congregação Mariana, Grupos de Oração, Liga Católica, Movimento Mãe Rainha e Pastoral Vocacional...

Saiba mais

Você, jovem ou adolescente, que quer se aproximar mais de Deus, confira as opções de grupos jovens que nossa paróquia oferece.

Saiba mais

Aqui você encontrará informações sobre CF, Fé e Dons, Círculos Bíblicos, Cursos da Palavra, Escola de Evangelização Santo André e Mater Eclesiae e Luz e Vida.

Saiba mais

Informações sobre Batismo, Crisma ou Confirmação, Eucaristia, Confissão ou Penitência, Extrema Unção, Ordem e Matrimônio ministrados em nossa paróquia.

Saiba mais

localVeja o mapar de como chegar a Paróquia e Santuário Nossa Senhora de Loreto:

Ladeira da Freguesia, 375 -Freguesia - Jacarepaguá – RJ

CEP 22760-090

Saiba mais  

Entre em contato conosco através dos emails da Administração, Ação Social Loreto, Pe. Barnabitas, Igreja N. Senhora de Loreto, Jornal O Mensageiro, Secretaria, Pascom e Pastoral da Juventude.

Saiba mais

Confira o horário de atendimento de nossa secretaria, missas, confissões, eucaristia e batismo.

Saiba mais
CAPELAS

capelaNeste espaço, você encontrará os endereços das Capelas assistidas pela nossa paróquia e seus respectivos horários das Missas:

    • » NOSSA SENHORA DA PENNA
    • » NOSSA SENHORA DO AMPARO
    • » NOSSA SENHORA DE BELÉM
    • » SÃO JOSÉ (CARMELO)
    • » SANTO ANTONIO
Saiba mais
HISTÓRICO DA PARÓQUIA

quem_somosPrezado leitor, querido paroquiano.

Sim. Agora podemos dizer que Nossa Senhora de Loreto é Patrona do nosso povo de Jacarepaguá há mais de 350 anos.

Quando o P. Manoel de Araujo veio de Lisboa, trouxe esta imagem e, tendo conseguido alguns favores por intercessão da Virgem, lhe dedicou um santuário. Conta o Frei Agostinho de Santa Maria no seu livro “Santuário Mariano e história das imagens milagrosas de Nossa Senhora” de 1723:

Saiba mais
HISTÓRICO DO SANTUÁRIO

hist_santuarioO Brasil, em colonização pelos portugueses, saía do Ciclo do Pau Brasil e ingressava no do Açúcar. Desenvolvia-se em terras litorâneas a construção de engenhos e fazia-se presente atividade febril nos meses de moagem da cana e fabrico de açúcar.

As terras de Jacarepaguá eram consideradas extremamente férteis e a região onde seria construída a Igreja do Loreto era denominada Planície dos Onze Engenhos...

Saiba mais
CEPAR

CeparO CEPAR (Centro de Estudos paroquial Nossa senhora de Loreto), inaugurado em Maio de 2000, uma área construída de cerca de 3000 m2, um complexo com 15 salas de aula cada uma com 30 lugares, um plenário para cerca de 120 participantes, um salão para festas e eventos abrigando 50 mesas redondas de 6 lugares, sem prejuízo da pista de dança e a varanda que circunda o salão pode abrigar 20 mesas redondas de 6 lugares,portanto, cerca de 420 pessoas podem desfrutar dos eventos no salão...

Saiba mais
HISTÓRICO DE NOSSA SENHORA DE LORETO

Historico N. Sra. LoretoNossa Senhora de Loreto

A ditosa casa de Nazaré, onde, após a saudação do Anjo à futura Mãe de Deus, o Verbo se fez Carne, foi transportada, segundo a tradição, para a cidade de Loreto, na Itália.

A Santa Casa de Loreto foi o primeiro santuário de porte internacional dedicado à Santíssima Virgem tendo sido, durante muitos séculos, o verdadeiro centro Mariano da Cristandade....

Saiba mais
Facebook
Twitter
YouTube
INSTAGRAM